quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Paixão inconsequente

por Gary Stix
Um olhar sobre o motorista agressivo retratado em Psicologia e marketing mostra que “ele” (mais do que “ela”) tende a ver o veículo como uma extensão de si. "Considerar os carros como uma extensão de si mesmo pode levar as pessoas a interpretar qualquer ameaça aos seus carros como uma ameaça direta a si mesmas", explicam os autores.
Os estudos não abordam a questão óbvia sobre quais partes dessas pessoas foram “estendidas” aos carros. E talvez tudo isso pareça bastante óbvio para indivíduos cujos bens muitas vezes são até batizados por eles com nomes bastante singelos.
Tudo isso apenas reafirma o que já sabemos: alguns homens com carros são praticamente adolescentes com armas letais, e, certamente, quando estão atrasados para o trabalho, carregam fundo no acelerador. A razão principal de olhar para a questão novamente foi avaliar a posse do carro como uma "experiência de consumo". Estudos sobre condução agressiva têm sido realizados há algum tempo, mas poucos avaliaram o motorista agressivo a partir da perspectiva do comportamento do mercado consumidor.
Os dois novos estudos, chamados de "condução agressiva: uma experiência de consumo", de Ayalla A. Ruvio, da Temple University e Shoham Aviv, da University of Haifa, que consistem em centenas de questionários, ajudaram a descobrir que as pessoas que se identificam com seu carro tendem a ser aqueles que atormentam os mais lentos, correm, arranjam confusão no estacionamento, e, eventualmente, acabam com processos judiciais.
Numa secção chamada "implicações práticas", os autores sugerem uma campanha publicitária que alerte sobre os riscos da condução agressiva, anúncios que talvez enfatizem, nas palavras dos autores, os méritos do pensamento do carro como "uma ferramenta funcional para ir de um lugar para o outro".
Desde o momento em que a Madison Avenue deixou de ser uma rota de cavalos e buggies foram cooptadas as melhores mentes entre executivos de criação, geração após geração, para fazer os consumidores acreditarem que o automóvel é uma forma de exoesqueleto que é tanto uma parte de cada um de nós como o polegar direito ou o fémur esquerdo. Então, se a correlação é igual à causalidade, talvez devêssemos parar os anúncios de carros.
Como eu disse, no entanto, isso nunca vai acontecer. Tampouco pontos de condução defensiva serão abordados, principalmente durante os anúncios do futebol.

Fonte: Scientific American

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Vacina contra a malária para breve?

A primeira vacina contra a malária que se submeteu a testes em grande escala revelou que os jovens que a receberam apresentaram cerca de metade da probabilidade de vir a ter a doença, durante o período de 14 meses de follow-up, comparativamente com aqueles que não receberam a vacina.
Um grupo internacional de cientistas publicou os resultados na revista New England Journal of Medicine. Os pesquisadores revelaram dados sobre 6.000 crianças africanas, com idades entre 5 meses e 17 meses, que foram aleatoriamente designadas para receber ou uma vacina contra a malária de três doses ou uma vacina controlo – neste caso, para a raiva.
"Tem sido uma longa jornada, e na verdade ainda não estamos ainda no fim, mas é cada vez mais claro que realmente temos a primeira vacina eficaz contra uma doença parasitária em humanos", diz Nicholas White, especialista em medicina tropical no Mahidol University, em Bangcoc, na Tailândia, que não fez parte deste estudo. "É uma grande conquista e um avanço importante, mas [os pesquisadores] sabem que esta vacina parcialmente protetora não é a única solução para o controle e eliminação da malária", escreve White na mesma edição da revista.
As descobertas reforçam os resultados anteriores de teste para a vacina experimental. Um novo teste, que inclui mais de 15.000 crianças, está em curso. A vacina contra a malária também reduziu os casos de malária grave - o tipo que pode resultar em hospitalização. Esta conclusão preliminar incluiu dados adicionais, a partir de um grupo de bebés, de 6 a 12 semanas de idade na época em que foram incluídos no estudo. Os participantes mais jovens foram aleatoriamente designados para receber a vacina contra a malária ou um controlo – uma imunização contra a meningite. A malária grave nos dois grupos etários combinados, entre aqueles que receberam a vacina experimental, foi reduzido em cerca de um terço, um pouco menos do que os cientistas esperavam.
Mesmo assim, os resultados globais representam um marco na pesquisa da malária, diz o co-autor do estudo Tsiri Agbenyega, um fisiologista da Universidade Kwame Nkrumah de Ciências e Tecnologia, em Kumasi, Gana. "Tendo trabalhado em pesquisa sobre malária há mais de 25 anos, posso atestar o quão difícil tem sido fazer progressos contra esta doença. Infelizmente, muitos resignaram-se à malária como sendo um facto da vida na África. Não precisa de ser esse o caso. "
O estudo recebeu financiamento da GlaxoSmithKline Biologicals, fabricante da vacina, e da Fundação Bill e Melinda Gates Foundation.

Fonte: Science News

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Explicado porque é difícil falar ao telefone em lugares barulhentos

Não é só o volume baixo ou a má recepção que torna difícil ouvir as pessoas do outro lado de uma chamada de telefone móvel, dizem pesquisadores dos EUA.
Segundo a pesquisa, apresentada na reunião anual da Sociedade de Acústica da América, em San Diego, os telemóveis também eliminam as faixas de frequência mais elevada das nossas vozes.
Os sons de alta frequência transmitem uma quantidade surpreendente de informações, diz o Dr. Brian Monson, da Universidade de Utah, Salt Lake City.
A sua pesquisa sugere que podemos estar a perder o sentido pleno do que as pessoas dizem quando falamos com elas através dos nossos dispositivos móveis.
"O pensamento predominante era que, devido ao facto de que as altas frequências não são tão audíveis na voz, o cérebro não devia prestar muita atenção a estas", diz Monson, um cientista da fala e audição.
"Se o cérebro presta muita atenção às altas frequências, deve haver algum tipo de informação perceptual nelas."

Pressuposto questionadoUma voz típica do sexo masculino mede cerca de 100 hertz e uma mulher média fala em cerca de 200 hertz.
Ao contrário de um som monótono como um apito, as vozes também contêm tons mais calmos com frequências que podem chegar a valores como 20.000 hertz.
Mas uma vez que a maioria da energia das nossas vozes se encontra abaixo dos 5000 hertz, os cientistas concluíram no passado que os sons agudos são irrelevantes.
Monson, que também é um cantor com experiência como engenheiro de som, começou a suspeitar de que esta ideia poderia estar errada.
Ao trabalhar com outros cantores, ele percebeu que eles melhoraram a qualidade das suas vozes, fazendo ajustes em tons de frequência muito alta.
Num projeto seguinte, ele descobriu que as pessoas podem detetar pequenas diferenças no volume de sons de alta frequência - na escala de apenas alguns decibéis.

Testes de audiçãoNo novo estudo, Monson gravou as pessoas a falar e a cantar o Star-Spangled Banner. Ele filtrou as gravações para manter unicamente sons acima de 5.000 hertz.
Ele reproduziu as gravações para cerca de 50 pessoas em algumas experiências. Ele pediu aos ouvintes para tentar identificar os detalhes sobre o que ouviram.
Ele ficou surpreso com o quão bem as pessoas o fizeram. Apesar de as gravações de som se parecerem com o som de grilos, quase todos foram capazes de distinguir rapidamente entre falar e cantar.
Os ouvintes demoraram um pouco mais para dizer se a voz era do sexo masculino ou feminino, mas todos eles desempenharam também muito bem a tarefa.
A mais surpreendente de todas as observações relacionadas com o entendimento atual do reconhecimento de sons, diz Monson, foi o facto de os ouvintes dizerem que estavam a ouvir a Star-Spangled Banner, não apenas quando as vozes estavam a cantar, mas também quando estavam apenas a falar.
As pessoas foram capazes de identificar as principais informações sobre as gravações, quando foram adicionados ruídos de distração para tornar a tarefa mais difícil.
"Se eles conseguem entender o que está a ser dito, isso significa que há uma capacidade de extrair informação inteligível a partir das altas frequências, e ninguém poderia ter previsto isso", diz Monson.
"Se você está numa situação onde há ruído de baixa frequência que cobre todas as informações a que você está acostumado a extrair de uma voz, enquanto existir o material de alta frequência, ainda é possível descobrir o que a pessoa está a dizer e obter as informações importantes. "
Isto pode explicar porque é que falar ao telemóvel em lugares barulhentos é tão difícil. A maioria dos telemóveis e telefones fixos transmitem sons de até cerca de 3.500 hertz, principalmente porque a maior frequência de sons nunca foi pensada como sendo muito importante.
Conversas telefónicas cansativasDe acordo com outras pesquisas, o nosso cérebro tem que trabalhar mais para extrair informações quando se trata de uma largura de banda limitada, diz Monson, o que explica por que é que as conversas telefónicas podem ser mais cansativas do que falar em pessoa.
E estudos em crianças têm mostrado que elas aprendem novas palavras três vezes mais rapidamente se ouvirem gravações que vão até 9.000 hertz em vez de 4.000 hertz.
Para melhorar a qualidade das nossas conversas de telemóvel, as novas descobertas sugerem que pode ser altura de uma atualização tecnológica.
"Nós ouvimos as coisas através dos telemóveis em situações bem adversas, e eu acho que estes dados sugerem fortemente que é possível dar mais informações ao ouvinte mantendo também as importantes altas frequências," diz o Dr. William Yost, um pesquisador de percepção auditiva da Universidade Estadual do Arizona em Tempe.

Fonte: ABC Science

domingo, 27 de novembro de 2011

Insetos têm muito medo dos peixes

A mera presença de um predador provoca stress suficiente para matar uma libélula, mesmo quando o predador não pode realmente chegar à sua presa para a comer, afirmam os biólogos da Universidade de Toronto. "A forma como a presa responde ao medo de ser comida é um tópico importante na ecologia, e nós aprendemos muito sobre como essas respostas afetam as interações entre predador e presa", diz o professor Locke Rowe, presidente do Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva (EEB) e co-investigador principal de um estudo realizado em U de T’s Koffler Scientific Reserve.
"À medida que aprendemos mais sobre como é que os animais respondem a condições de stress – quer seja a presença de predadores ou de outros stresses de origem natural ou humana – descobrimos cada vez mais que o stress traz um maior risco de morte, presumivelmente a partir de coisas que normalmente não matariam, tais como algumas infeções ", diz Rowe.
Shannon McCauley, uma bolseira de pós-doutoramento, e os professores EEB Marie-Josée Fortin e Rowe cresceram larvas da libélula (Leucorrhinia intacta) em aquários ou tanques, juntamente com os seus predadores. Os dois grupos foram separados de modo que, enquanto as libélulas podiam ver e cheirar os seus predadores, os predadores não podiam realmente comê-los.
"O que descobrimos foi inesperado – morreram mais libélulas quando os predadores compartilharam o seu habitat", diz Rowe. Larvas expostas aos predadores de peixe ou insetos aquáticos apresentaram taxas de sobrevivência 2,5-4,3 vezes menores do que os não expostos.
Numa segunda experiência, 11% das larvas expostas aos peixes morreram enquanto se tentavam metamorfosear na sua fase adulta, em comparação com apenas 2% daquelas que cresceram num ambiente livre de peixes. "Nós permitimos que as libélulas juvenis passassem pela metamorfose para se tornarem libélulas adultas, e descobrimos que aquelas que haviam crescido em torno de predadores eram mais propensas a não conseguir completar a metamorfose com sucesso, com uma maior probabilidade de morrer", diz Rowe.
Os cientistas sugerem que as suas descobertas possam ser aplicadas a todos os organismos que enfrentam qualquer quantidade de stress, e que a experiência poderia ser usada como modelo para futuros estudos sobre os efeitos letais do stress.
A pesquisa é descrita num artigo intitulado "Os efeitos mortais de predadores ‘não-letais’", publicado na revista Nature.

Fonte: E! Science News

sábado, 26 de novembro de 2011

Estrelas zombies regressam como supernovas

Tipo de objeto: anã branca
Número conhecido: 10 na nossa galáxia
A dez mil anos-luz de distância, o núcleo de uma estrela morta circula tranquilamente ao redor de uma companheira semelhante ao sol. Embora o cadáver estelar não mostre sinais de vida, é um vampiro cósmico, aguardando o seu tempo, uma vez que lentamente suga o gás da sua companheira.
Décadas mais tarde, um flash ofuscante 100.000 vezes mais brilhante que o Sol anuncia o despertar da estrela morta-viva: finalmente ela acumulou bastante combustível roubado de forma a reatar mais uma vez a sua fusão nuclear. A estrela brilha por alguns dias gloriosos antes de retornar ao seu sono mortal durante anos ou décadas, até que toda a sequência se repete.
Espetaculares como são, essas ressurreições são apenas o prelúdio do ato final, quando a estrela morta-viva se torna finalmente uma supernova, obliterando-se à medida que ofusca a nossa galáxia inteira.
Isto é, pelo menos, a sugestão de medidas recentes de uma dessas estrelas latentes, também conhecida como uma nova recorrente. Esses dados apoiam a teoria de que estes são os há muito tempo procurados progenitores de um tipo muito interessante de estrela explosiva: a supernova tipo 1a.

Natureza das trevasEncontrar estes progenitores seria uma bênção para o estudo da energia escura, a misteriosa entidade que se pensa estar a acelerar a expansão do universo. Foi a supernova tipo 1a que levou à identificação inicial do material misterioso, e que esteve na base da atribuição do prémio Nobel no início deste ano a três cosmólogos. Todos os tipo 1a evoluem a partir de um tipo de estrela chamada anã branca, mas fixar exatamente que anãs brancas são precursores da supernova poderia levar a medidas muito mais precisas da energia escura - e até mesmo revelar sua verdadeira natureza.
A caça tem decorrido há décadas. As novas recorrentes foram descobertas em 1913, mas só a partir dos anos 70 é que elas se tornaram os principais suspeitos. Foi quando elas foram identificados como anãs brancas pesadas, com uma massa muito próxima do “ponto de inflexão” da supernova de 1,4 vezes a massa do sol. Quando uma anã branca cresce mais do que isso, não pode mais aguentar o seu próprio peso e começa a entrar em colapso, provocando reações nucleares que rasgam a estrela em pedaços originando uma supernova tipo 1a.
De qualquer das formas, foi difícil provar que as novas recorrentes obtêm massa suficiente para fazer a transição da anã branca pesada para a explosão 1a. Elas roubam o gás dos seus vizinhos, mas também o lançam durante as suas explosões, por isso não ficou claro se elas ganham ou perdem o material em geral.

Ganhar ou perder?Para resolver esta questão, Bradley Schaefer da Louisiana State University, em Baton Rouge, analisou as medidas da nova recorrente CI Aquilae antes e após a sua erupção em 2000.
Pares mais pesados de estrelas orbitam mais rápido entre si por causa da sua forte gravidade. Isso significa que qualquer massa perdida pela anã branca iria prolongar o seu período orbital.
A equipa de Schaefer descobriu que não havia nenhuma mudança mensurável no período orbital de 15 horas da CI Aquilae, após a erupção. Dada a precisão das suas observações, isto significa que a anã branca não pode ter perdido mais de um milionésimo da massa do sol no evento.
Como se estima que tenha roubado mais do que o dobro dessa quantidade a partir da sua companheira, no intervalo entre as erupções, ela deve ganhar massa em geral, conclui Schaefer.
Amadores com olho de águia
A conclusão é provisória por causa de possíveis erros de medição. Mas, felizmente, a amadores com olho de águia encntrarammais duas das 10 novas recorrentes conhecidas que estão no processo de erupção - U Scorpii em janeiro de 2010 e T Pyxidis em abril do ano passado.
A T Pyxidis foi uma surpresa, mas Schaefer tinha previsto quando é que a U Scorpii subiria novamente, de forma que telescópios espaciais e observatórios terrestres estavam prontos para a observar. "Nós caracterizamos aquela coisa com as observações - foi incrível", diz Schaefer.
A análise dessas observações, juntamente com medidas de períodos orbitais ao longo dos próximos anos, poderiam ajudar as novas recorrentes a ultrapassar potenciais rivais no papel de progenitores da supernova tipo 1a.
Isso seria um avanço para o estudo da energia escura. Todas as supernovas tipo 1a parecem ter o mesmo brilho intrínseco, portanto o seu brilho aparente pode ser usado para trabalhar o quão longe eles estão. O que, por sua vez, nos permite estimar o quão rápido a expansão do Universo está a acelerar. No entanto, as chamados "velas padrão" variam ligeiramente entre elas, limitando a precisão dessas medições.
O conhecimento das propriedades das estrelas que produzem essas explosões tipo 1a poderia ajudar os pesquisadores a entender melhor as suas variações, permitindo estimativas mais precisas da aceleração da expansão cósmica. Esta por sua vez, será crucial para distinguir entre diferentes teorias para a origem da energia escura.
"Não se pode obter uma alta precisão se não se souber qual é o progenitor é", diz Schaefer. "Precisamos desesperadamente de saber isso."
A pesquisa será publicada na revista Astrophysical Journal.

Fonte: New Scientist

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Três novos planetas e um objeto misterioso descobertos fora do nosso sistema solar

Usando o telescópio Hobby-Eberly, os astrónomos observaram as estrelas-pai dos planetas - chamadas HD 240237, BD 48 738, e HD 96127 – localizadas a dezenas de anos-luz de distância do nosso sistema solar. Uma das estrelas massivas que está a morrer tem um objeto misterioso adicional a orbitá-la, de acordo com o chefe da equipa Alex Wolszczan, professor de Astronomia e Astrofísica na Universidade Penn State, que, em 1992, tornou-se o primeiro astrónomo a descobrir planetas fora do nosso solares do sistema. Espera-se que a nova pesquisa lance luz sobre a evolução dos sistemas planetários em torno de estrelas moribundas. Também vai ajudar os astrónomos a entender como é que o conteúdo de metal influencia o comportamento de estrelas moribundas.
A pesquisa será publicada em Dezembro na revista Astrophysical Journal. O primeiro autor do artigo é Sara Gettel, uma estudante de pós-graduação do Departamento de Astronomia e Astrofísica da Penn State, e o artigo é co-autorado por três alunos de pós-graduação da Polónia.
Os três sistemas planetários recém-descobertos são mais evoluídos do que o nosso próprio sistema solar. "Cada uma das três estrelas está a aumentar e já se tornou uma gigante vermelha - uma estrela moribunda que em breve irá devorar qualquer planeta que passe a orbitar muito próximo dela", disse Wolszczan. "Nós certamente podemos esperar um destino semelhante para o nosso próprio Sol, que eventualmente se tornará uma gigante vermelha e, possivelmente, irá consumir a nossa Terra, mas não temos que nos preocupar com isso nos próximos cinco mil milhões de anos". Wolszczan também disse que uma das estrelas mais massivas que está a morrer – a BD 48 738 - é acompanhada não só por um enorme planeta semelhante a Júpiter, mas também por um segundo objeto misterioso. Segundo a equipa, este objeto poderia ser outro planeta, uma estrela de baixa massa, ou - mais interessante - uma anã castanha, que é um astro semelhante a uma estrela que é um intermediário de massa entre as estrelas mais frias e os planetas maioes. "Vamos continuar a observar este estranho objeto e, daqui a alguns anos, esperamos ser capazes de revelar a sua identidade", disse Wolszczan.
As três estrelas que estão a morrer e os planetas que as acompanham têm sido particularmente úteis para a equipa de pesquisa, porque eles têm ajudado a esclarecer mistérios em curso, tais como a relação entre o comportamento de estrelas que estão a morrer e a sua metalicidade. "Em primeiro lugar, sabemos que as estrelas gigantes como HD 240237, BD 48 738, e HD 96127 são especialmente barulhentas. Ou seja, elas parecem nervosas, porque oscilam muito mais do que a nossa estrela bem mais jovem, o Sol. O barulho perturba a observação do processo, tornando-se um desafio para descobrir qualquer planeta companheiro ", disse Wolszczan. "Ainda assim, fomos capazes de detetar planetas orbitando uma estrela massiva."
Uma vez, Wolszczan e a sua equipa haviam confirmado que a HD 240237, BD 48 738, e HD 96127, de fato, têm planetas que orbitam em redor delas, e mediram o conteúdo de metal das estrelas, tendo encontrado algumas correlações interessantes. "Nós encontramos uma correlação negativa entre a metalicidade de uma estrela e o seu nervosismo. Acontece que quanto menor era o conteúdo de metal de cada estrela, mais barulhenta e agitada ela era", explicou Wolszczan. "O nosso próprio Sol vibra um pouco também, mas porque é muito mais jovem, a sua atmosfera é muito menos turbulenta."
Wolszczan também apontou que, como as estrelas cresceram para a fase de vermelha gigante, as órbitas planetárias mudam e eventualmente cruzam-se, e os planetas e luas mais próximos acabam por ser, eventualmente, engolidos e sugados pela estrela moribunda. Por esta razão, é possível que a HD 240237, BD 48 738, e HD 96127, possam ter tido mais planetas em órbita, mas esses planetas podem ter sido consumidos ao longo do tempo. "É interessante notar que, dessas três estrelas recém-descobertas, nenhuma tem um planeta a uma distância de 0,6 unidades astronómicas - ou seja, 0,6 a distância da Terra ao nosso Sol", disse Wolszczan. "Pode ser que 0,6 seja o número mágico a partir do qual o planeta está condenado à morte."
A observações de estrelas moribundas, o seu conteúdo de metal, e a forma como elas afetam os planetas em torno delas pode fornecer pistas sobre o destino do nosso próprio sistema solar. "É claro que, em cerca de cinco biliões de anos, o nosso Sol vai-se tornar uma gigante vermelha e provavelmente irá engolir os planetas interiores e luas dos planetas que o acompanham. No entanto, se ainda estamos a cerca de, digamos, um bilião a três biliões de anos, podemos considerar instalarmo-nos na lua de Júpiter, Europa, nos restantes mil milhões de anos antes que isso aconteça ", disse Wolszczan. "A Europa é um deserto gelado e certamente não é habitável agora, mas como o Sol continua a aquecer e expandir-se, a nossa Terra vai-se tornar muito quente, enquanto ao mesmo tempo, a Europa irá derreter e pode ficar alguns biliões de anos na zona Goldilocks – não demasiado quente, não demasiado velha, coberta por vastos e belos oceanos "
O Centro para Exoplanetas e Mundos Habitáveis, da Penn State, está a organizar uma conferência em janeiro de 2012 para discutir os planetas e as suas estrelas moribundas. A conferência será realizada em Porto Rico e está programada para ocorrer exatamente 20 anos a partir de quando Wolszczan usou o radiotelescópio Arecibo para detectar três planetas que orbitam uma estrela de neutrões em rápida rotação - a primeira descoberta de planetas fora do sistema solar . Esta descoberta abriu as portas para a era atual de caça intensa aos planeta, sugerindo que a formação de planetas poderia ser muito comum em todo o universo e que os planetas podem-se formar em torno de diferentes tipos de objetos estelares.

Fonte: Science Daily

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Humanos preferem trabalhar em grupo na resolução de problemas, os chimpanzés não

Os chimpanzés podem ter muitos dos pré-requisitos necessários para a colaboração. Mas, segundo um estudo realizado pelo Instituto Max Planck, na Alemanha, não são as habilidades cognitivas apenas que poderiam mostrar as diferenças entre macacos e seres humanos. Ao realizar uma experiência com crianças e filhotes de chimpanzé, os pesquisadores observaram que os humanos tendem a preferir solucionar problemas em grupo. Os chimpanzés não.
As sociedades humanas são construídas em colaboração e, por isso, desde tenra idade as crianças reconhecem a necessidade de ajuda. Recrutam colaboradores ativamente, fazem acordos e reconhecem papéis para garantir o sucesso de uma empreitada. Os chimpanzés, embora sejam cooperativos (trabalham juntos na busca por alimento, por exemplo), não chegam ao mesmo grau de altruísmo.
“A preferência por fazer coisas em conjunto, em vez de sozinho, diferencia os humanos dos nossos intimamente relacionados primos primatas”, diz Daniel Haun, do departamento de Antropologia Evolucionária em Leipzig, do instituto. “Esperávamos encontrar diferenças entre a cooperação de humanos e chimpanzés porque os humanos cooperam em muitos contextos diferentes e de forma mais complexa”.
Para chegar aos resultados, a equipa submeteu crianças de três anos de idade e chimpanzés de um santuário na República do Congo a testes que poderiam ser realizados individualmente ou em grupo. As crianças colaboraram com as outras mais de 78% do tempo, em comparação com os 58% de tempo em grupo observados entre chimpanzés. “As nossas descobertas sugerem que as diferenças de comportamento entre humanos e outras espécies podem ter base em pequenas diferenças de motivação”, destaca Haun.

Fonte: Ciência Diária

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Paixão inconsequente

por Gary Stix

Um olhar sobre o motorista agressivo retratado em Psicologia e marketing mostra que “ele” (mais do que “ela”) tende a ver o veículo como uma extensão de si. "Considerar os carros como uma extensão de si mesmo pode levar as pessoas a interpretar qualquer ameaça aos seus carros como uma ameaça direta a si mesmas", explicam os autores.
Os estudos não abordam a questão óbvia sobre quais partes dessas pessoas foram “estendidas” aos carros. E talvez tudo isso pareça bastante óbvio para indivíduos cujos bens muitas vezes são até batizados por eles com nomes bastante singelos.
Tudo isso apenas reafirma o que já sabemos: alguns homens com carros são praticamente adolescentes com armas letais, e, certamente, quando estão atrasados para o trabalho, carregam fundo no acelerador. A razão principal de olhar para a questão novamente foi avaliar a posse do carro como uma "experiência de consumo". Estudos sobre condução agressiva têm sido realizados há algum tempo, mas poucos avaliaram o motorista agressivo a partir da perspectiva do comportamento do mercado consumidor.
Os dois novos estudos, chamados de "condução agressiva: uma experiência de consumo", de Ayalla A. Ruvio, da Temple University e Shoham Aviv, da University of Haifa, que consistem em centenas de questionários, ajudaram a descobrir que as pessoas que se identificam com seu carro tendem a ser aqueles que atormentam os mais lentos, correm, arranjam confusão no estacionamento, e, eventualmente, acabam com processos judiciais.
Numa secção chamada "implicações práticas", os autores sugerem uma campanha publicitária que alerte sobre os riscos da condução agressiva, anúncios que talvez enfatizem, nas palavras dos autores, os méritos do pensamento do carro como "uma ferramenta funcional para ir de um lugar para o outro".
Desde o momento em que a Madison Avenue deixou de ser uma rota de cavalos e buggies foram cooptadas as melhores mentes entre executivos de criação, geração após geração, para fazer os consumidores acreditarem que o automóvel é uma forma de exoesqueleto que é tanto uma parte de cada um de nós como o polegar direito ou o fémur esquerdo. Então, se a correlação é igual à causalidade, talvez devêssemos parar os anúncios de carros.
Como eu disse, no entanto, isso nunca vai acontecer. Tampouco pontos de condução defensiva serão abordados, principalmente durante os anúncios do futebol.

Fonte: Scientific American

terça-feira, 22 de novembro de 2011

A herança da vida longa: os genes não estão sós no processo

Embora a vida longa possa ser herdada, não acontece necessariamente através dos genes.
Um novo estudo mostra que os netos e bisnetos de lombrigas de vida longa vivem mais 5-6 dias do que o habitual, apesar de já não possuírem as mutações genéticas que causaram a longevidade dos seus avós. Em vez disso, a longevidade dos descendentes pode ser devida ao facto de eles terem herdado marcas epigenéticas - tags químicas no seu DNA ou nas proteínas associadas ao DNA chamadas histonas - que modulam a atividade do gene sem mudar o próprio gene, de acordo com pesquisadores da Universidade de Stanford e Harvard, que publicaram os resultados na revista Nature.
O estudo é o primeiro a demonstrar que a longevidade pode ser passada de geração em geração através destas tags conhecidas como modificações das histonas e não por variações no DNA. Poucos estudos têm sugerido que qualquer modificação das histonas pode ser herdado ", mas esta é uma demonstração bastante definitiva", diz Tony Kouzarides, um biólogo molecular da Universidade de Cambridge, na Inglaterra.
Trabalhando com a lombriga Caenorhabditis elegans, os pesquisadores liderados por Eric Greer e Anne Brunet em Stanford encontraram anteriormente espécimes que viviam 20 a 30 por cento mais do que o normal. Esses vermes de vida longa tinham mutações que interromperam a sua capacidade de fazer uma marca epigenética em particular, numa proteína chamada histona H3. As histonas são proteínas nas quais o DNA se enrola para que caiba numa célula, e ajudam à atividade de controlo dos genes.
Greer e Brunet descobriu que esses vermes têm problemas na adição de três grupos metil a um lisina específica na cadeia de aminoácidos que compõem a H3. Esta marca é quase sempre encontrada em histonas localizadas perto do início de genes ativos. Vermes que não pode efectuar essa marca podem ter genes menos ativos ou podem desligar alguns genes inteiramente.
Mas o verdadeiro teste para se saber se uma marca particular de DNA ou de histonas é epigenética é se o efeito pode ou não ser herdado. Então Greer desenhou uma nova experiência para descobrir se as lombrigas que não apresentam mutações nos genes de marcação das histonas poderiam herdar vidas longas.
"Eu realmente não esperava que fosse hereditária", porque normalmente as marcas nas histona são apagadas entre as gerações, diz Greer, que agora está a trabalhar em Harvard.
Mas vidas mais longas foram herdadas por pelo menos três gerações, embora os descendentes dos vermes mutantes não carregassem mais a mutação do DNA que originalmente causou a extensão do tempo de vida, descobriram os pesquisadores. As marcas nas histonas na prole de longa vida parecia normal, mas a atividade de certos genes nos descendentes é equivalente à verificada no ancestral mutante.
O prolongamento da vida terminou abruptamente entre as terceira e quarta geração, segundo o estudo. O motivo é desconhecido, mas especula Brunet que cada geração pode gradualmente restabelecer algumas das marcas até que um limite é atingido e a extensão da vida é eliminada.
Ninguém sabe se a descoberta efetuada em C. elegans será aplicável noutros animais ou pessoas, mas muitos processos de envelhecimento encontradas em lombrigas também existem em outros organismos, incluindo seres humanos.
"Pensa-se sempre que é a genética – mutações reais no genoma – que permite às pessoas viver mais tempo, mas certamente podem haver fatores epigenéticos envolvidos no processo", diz Brian Kennedy, diretor executivo do Instituto Buck de Pesquisa sobre o Envelhecimento em Navato, na Califórnia
A equipa ainda não descobriu exatamente como a vida longa é passada de geração em geração. "É muito misterioso, e é sempre ótimo ter um novo mistério", diz Cynthia Kenyon, uma geneticista molecular da Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Fonte: Science News

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Por que é que algumas praias têm areia mais dourada do que outras?

As pessoas vêm de todo o mundo visitar as belas e longas praias desertas da Austrália.
Algumas praias australianas são douradas como o sol, outras vermelhas como fogo, e algumas tão brancas que quase se parecem com nuvens no chão. Algumas praias até contêm areia preta. Noutras partes do mundo, em lugares como o Hawaii, a praia inteira pode ser preta ou verde.
O que faz com que exista esta variação de cores?
A resposta está na geologia da hinterlândia que está por trás do litoral, diz o geólogo sedimentar, o Dr. Richard Daniel, da Universidade de Adelaide.
A areia são fragmentos de rochas e minerais como o quartzo e ferro, que variam em tamanho de 63 mícrons (um milésimo de um milímetro) a dois milímetros.
"A geologia da hinterlândia desempenha um grande papel no tipo e cor de areia que vemos nas nossas praias", diz Daniel.
Se olharmos para a geologia da costa leste e da costa oeste da Austrália, vemos rochas muito diferentes. A costa leste é principalmente composta de rocha produzida a partir de atividades ígneas em larga escala, como granitos. Grande parte da costa oeste é essencialmente derivada de rochas metamórficas que sofreram dobras e se misturaram com outras rochas. Isto aumenta a quantidade de óxidos presentes nas rochas, tais como o de ferro, explica Daniel.
"As areias derivadas de granitos são mais brancas, enquanto as areias provenientes do terreno metamórfico assumem a cor do óxido na rocha", diz ele.
Quando essas rochas se decompõem nos grãos que formam a areia das nossas praias, a sua cor é principalmente determinada pela presença ou ausência de ferro.
"O ferro é um mineral muito comum sobre e dentro da Terra".
Quando os minerais de ferro são expostos ao ar, começam a oxidar-se, e esta oxidação do ferro "é o que confere principalmente à areia a coloração amarela", diz Daniel.
Daniel diz que as rochas metamórficas da Austrália Ocidental contêm mais ferro do que as rochas ígneas, na costa leste, fazendo com que algumas das praias apresentem mais uma cor vermelho-alaranjado.

Alterações locais
Mas em Cottesloe Beach, em Perth, a areia é de uma cor amarelo-claro/branco em contraste com a areia laranja/vernelha rica em ferro de outras partes da Austrália Ocidental.
Daniel diz que as variações ao longo das costas dependem não só o tipo de rocha no interior imediato, mas também se a areia é transportada ao longo da costa.
A areia ao longo da costa nordeste da Austrália é muito similar na cor por causa do que é conhecido como o "rio de areia" - o ponto de despejo de areia para todos os rios a sul e a NSW de Queensland. Toda essa areia é eventualmente empurrada para Queensland e para a parte nordeste da Fraser Island, sendo finalmente sugada para um canyon submarino a cerca de 1000 metros de profundidade.
No entanto, a costa ocidental não tem um sistema semelhante de transporte e há mais de um tipo de rocha que compõe o interior da costa oeste.
Isto significa que a areia em qualquer praia particular é "muito localmente orientada". Por exemplo, a areia branca da praia Cottesloe é derivado de granito.

Areias de coral Às vezes, a cor de uma praia não é apenas dependente da geologia da hinterlândia, mas também dos organismos vivos na água, diz Daniel. Algumas praias australianas são compostas de fragmentos minúsculos de corais quebrados e os restos de esqueletos de criaturas marinhas.
"Sedimentos de terra, como fragmentos de quartzo e rocha são, invariavelmente, uma porção menor, sendo ultrapassados por muito pela areia calcária produzida pelos animais que existem dentro e ao redor dos recifes de coral", diz Daniel.
Estes restos de esqueletos de criaturas como moluscos, crustáceos e foraminíferos criam uma praia de areia branca perolada.

Fonte: ABC Science

domingo, 20 de novembro de 2011

Pessoas obesas recuperam o excesso de peso após a dieta: a culpa é das hormonas

Em todo o mundo existem mais de 1,5 biliões de adultos com excesso de peso, incluindo 400 milhões que são obesos. Na Austrália, estima-se que mais de 50% das mulheres e 60% dos homens estão com excesso de peso ou obesos. Embora a restrição da dieta geralmente resulte em perda de peso inicial, mais de 80% de indivíduos obesos que fazem dieta não conseguem manter o seu peso reduzido. As pessoas obesas podem recuperar o peso após a dieta devido a alterações hormonais, de acordo com um novo estudo.
O estudo envolveu 50 adultos com excesso de peso ou obesos, com um índice de massa corporal (IMC) entre 27 e 40, e um peso médio de 95 kg, que se inscreveram num programa de perda de peso de 10 semanas com uma dieta de muito baixa energia. Os níveis das hormonas reguladoras do apetite foram medidos no início do estudo, no final do programa e um ano após a perda de peso inicial.
Os resultados mostraram que após a perda de peso inicial de cerca de 13 kg, os níveis de hormonas que influenciam a fome mudaram de uma forma que seria esperada para aumentar o apetite. Essas mudanças foram sustentadas por pelo menos um ano. Os participantes recuperaram cerca de 5kgs durante o período de um ano de estudo.
O professor Joseph Proietto da Universidade de Melbourne, disse que o estudo revelou o papel importante que as hormonas desempenham na regulação do peso corporal, a mudança na dieta e comportamento menos propensos a funcionar no longo prazo.
"O nosso estudo forneceu pistas sobre o porquê das pessoas obesas que perderam peso, terem muitas vezes recaídas. A recaída tem uma forte base fisiológica e não é simplesmente o resultado da retoma voluntária de velhos hábitos", disse ele.
O dr Proietto disse que apesar das campanhas de promoção de saúde recomendarem que as pessoas obesas adotem mudanças de estilo de vida, tais como ser mais ativas, não é provável que estas levem a reversão da epidemia de obesidade.
"Em última análise, seria mais eficaz concentrar os esforços de saúde pública na prevenção das crianças se tornarem obesas."
"O estudo também sugere que a fome seguida à perda de peso precisa de ser tratada. Isso pode ser possível a longo prazo através de farmacoterapia ou manipulação hormonal, mas estas opções precisam de ser investigadas", disse ele.
O estudo foi feito em colaboração com a La Trobe University e foi publicado no New England Journal of Medicine.

Fonte: E! Science News

sábado, 19 de novembro de 2011

Câmaras inteligentes em smartphones ajudam a tirar melhores fotografias

As câmaras digitais permitem que já não se precisa de ficar preso a um rolo fotográfico cheio de fotografias das férias, sub-expostas e desfocadas. Infelizmente, elas não impedem que se tire más fotos. Não seria bom se a sua câmara digital também pudesse fazer de você um melhor fotógrafo?
As câmaras digitais modernas, como as encontradas em smartphones, vêm muitas vezes com ferramentas úteis, como deteção de face, mas ainda é muito fácil fazer um mau trabalho com uma imagem. "Uma boa parte da interação com uma câmara de telefone é muito semelhante à interação que se tem com uma câmara com 30 ou mais anos", diz Stephen Brewster, um pesquisador da interação ser humano-computador da Universidade de Glasgow, Reino Unido, Ele está a desenvolver uma interface nova de câmara para ajudar a tirar fotos melhores pela primeira vez.
A interface utiliza os sensores e o poder de processamento encontrado em smartphones para oferecer aos fotógrafos mais informações antes de clicar. Por exemplo, acelerómetros podem detetar se uma imagem está alinhada com o horizonte ou quando as suas mãos estão a tremer. O telefone poderá então avisá-lo com orientações sobre o ecrã, pistas de áudio ou vibração. A equipa de Brewster também ampliou a deteção de rosto encontrada em algumas câmaras de smartphones, de forma a ajudar a tirar auto-retratos com amigos - útil se o smartphone só tem uma câmara embutida. Quando você apontá-la para si mesmo não consegue ver o ecrã, mas o telefone vibrará uma vez por cada rosto que tem focado.
Para outras fotos, as orientações são resumidas por um sistema de semáforo que lhe permite saber a qualidade do disparo, antes mesmo de o realizar - uma luz vermelha ou âmbar significa que você pode querer recompor a foto, enquanto uma luz verde ajuda a garantir uma imagem decente. Isto é importante porque as pessoas simplesmente excluem as fotos más, diz Brewster. "Você tem que ficar bem à primeira, pois o evento passou, e se você tem uma foto muito má, pode perder essa oportunidade."
Brewster, que irá apresentar o seu sistema durante a conferência Electronic Imaging, em San Francisco em janeiro, diz que está em negociações com um fabricante de câmaras digitais sobre a incorporação de algumas das suas ideias nos seus produtos. Ele também planeia lançar uma versão da interface de um aplicativo Android até ao final do ano.
Mesmo com a ajuda extra, os smartphones nunca podem competir com as imagens oferecidas por uma câmara digital profissional com uma lente de alta qualidade. Mas os fotógrafos com essas câmaras mais avançadas enfrentam um outro problema - o ato de equilíbrio entre o tempo de exposição de uma foto e a sua profundidade de campo (DOF), ou quanto do disparo estão focado.
Fotos tiradas com uma abertura pequena têm uma grande DOF, o que significa que uma maior parte do cenário está focado, mas menos luz entra na câmara. Isso significa que ela necessita de mais tempo para conseguir a exposição correta e pode levar a uma foto desfocada se o alvo estiver em movimento. Usando uma abertura maior resolve-se esse problema, mas restringe-se o foco, desfocando-se o fundo ou o primeiro plano.
Agora Sam Hasinoff, um engenheiro de software da Google, tem uma solução que dá aos fotógrafos o melhor dos dois mundos. Ele tira fotos com múltiplas aberturas amplas com diferentes DOF e combina-os para criar uma imagem com um equivalente de DOF para uma pequena abertura, mas tirada numa fração do tempo, uma vez que a abertura maior atinge o nível correto de exposição muito mais rápido. Este método, chamado de fotografia eficiente de luz, calcula automaticamente qual a combinação de fotos que vai produzir a imagem desejada para uma exposição selecionada.
"Se uma cena ou a câmara estão em movimento, o nosso método irá detetar menos desfocagem devido ao movimento, levando a uma foto mais nítida e agradável", diz Hasinoff. Ele também torna possível tirar fotos com pouca iluminação e com um DOF grande, o que muitas vezes é um desafio.
Hasinoff acha que deve ser possível implementar o seu método em câmaras existentes, mas algumas técnicas de processamento ainda exigem o poder de processamento de números de um PC. No início deste mês, a Adobe, que produz o Photoshop, forneceu aos participantes da sua conferência MAX em Los Angeles uma pré-visualização de uma ferramenta que pode tirar a desfocagem de fotos digitais. Ele examina a imagem para calcular o movimento do fotógrafo que causou a desfocagem, e computacionalmente inverte o movimento para tornar mais nítida a foto.
Dados do sensor do seu smartphone ou câmara poderiam melhorar a técnica. "Você pode usar isso para ajudar a tirar a desfocagem de uma a foto, porque íamos ter acesso a informação sobre a forma como a câmara estava em movimento", diz Brewster. No futuro, as câmaras poderiam ostentar todos esses métodos, realizando pré e pós-processamento para lhe dar a melhor foto possível. "Isso seria a solução perfeita."

Fotos 3D a partir de uma única lenteAvanços no software da câmara podem ajudá-lo a tirar uma foto melhor, mas os avanços de hardware oferecem novos tipos de fotos. O engenheiro elétrico Alyosha Molnar e a sua equipa na Universidade Cornell em Ithaca, New York, estão a trabalhar num sensor que pode capturar imagens 3D utilizando apenas uma única lente.
Ele usa pixels que detetam tanto a intensidade da luz como do ângulo em que ela atinge o sensor. Os sensores normais das câmaras digitais apenas detetam a intensidade, razão pela qual as câmaras 3D de hoje precisam de duas lentes para recolher também as informações do ângulo. Isso pode levar a pequenos erros na imagem.
O sensor de Molnar só tem cerca de 0,15 megapixels, mas ele diz que a qualidade da imagem deve ser comparável à de câmaras normais.

Fonte: New Scientist

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Flora intestinal pode estar relacionada com a esclerose múltipla

As descobertas, publicadas na revista Nature, sugerem que em seres humanos com a predisposição genética correspondente, a flora intestinal essencial benéfica pode funcionar como um gatilho para o desenvolvimento de esclerose múltipla.
O intestino humano é um paraíso para os microorganismos: é o lar de cerca de 100 biliões de bactérias de 2.000 diferentes espécies bacterianas. Os microorganismos do intestino não são apenas indispensáveis para a digestão, mas também para o desenvolvimento do intestino. Ao todo, esta comunidade diversificada compreende genes entre dez a cem vezes mais do que todo o genoma humano. Os cientistas, frequentemente referem-se a ele como o "ser expandido". No entanto, as bactérias intestinais também podem desempenhar um papel nas doenças em que o sistema imunitário ataca o próprio corpo. Bactérias intestinais podem, assim, promover desordens auto-imunes como a doença de Crohn e a artrite reumatóide.
Por um lado, a probabilidade de desenvolver esclerose múltipla, uma doença na qual as proteínas na superfície da camada de mielina no cérebro ativam o sistema imunitário, é influenciada pelos genes. Por outro lado, no entanto, os fatores ambientais têm um impacto ainda maior sobre o desenvolvimento da doença. Os cientistas já suspeitavam que ela é causada por agentes infecciosos. Os pesquisadores do Max Planck assumem agora que a esclerose múltipla é desencadeada pela flora intestinal natural.
Esta descoberta surpreendente foi possível graças aos recém-desenvolvidos murganhos geneticamente modificados. Na ausência de exposição a quaisquer influências externas, surgem reações inflamatórias no cérebro destes animais que são semelhantes aos associados à esclerose múltipla em seres humanos. No entanto, isso só ocorre quando os ratos têm a flora intestinal intacta. Murganhos sem microorganismos nos seus intestinos e mantidos num ambiente estéril permaneceram saudáveis. Quando os cientistas "vacinaram" os animais criados em condições estéreis com microrganismos intestinais normais, eles também ficaram doentes.
Segundo os pesquisadores, a flora intestinal influencia o sistema imunitário do trato digestivo; murganhos sem flora intestinal têm menos células T nessa região. Além disso, o baço destes animais produz menos substâncias inflamatórias, como citocinas e as suas células B produzem poucos ou nenhuns anticorpos contra a mielina. Quando os pesquisadores restauraram a flora intestinal dos ratos, as suas células T e células B aumentaram a produção de citocinas e anticorpos.
"Parece que o sistema imunitário é ativado em duas etapas: Primeiro, as células T nos vasos linfáticos do trato intestinal tornam-se ativas e proliferam. Juntamente com as proteínas de superfície da camada de mielina, estas, em seguida, estimulam as células B para produzir anticorpos patogénicos. Ambos os processos provocam reações inflamatórias no cérebro que progressivamente destroem a camada de mielina - um processo que é muito semelhante à maneira como se desenvolve a esclerose múltipla em humanos", diz Gurumoorthy Krishnamoorthy do Instituto Max Planck de Neurobiologia. Assim, a doença é causada por alterações no sistema imunitário e não por perturbações no funcionamento do sistema nervoso. "A pesquisa de esclerose múltipla há muito que se tem preocupado com esta questão de causa e efeito. As nossas descobertas sugerem que o sistema imunitário é a força motriz aqui", diz Hartmut Wekerle, Diretor do Instituto Max Planck em Martinsried.
Os cientistas estão certos de que a flora intestinal também pode desencadear uma reação exagerada do sistema imunitário contra a camada de mielina em pessoas com predisposição genética para a esclerose múltipla. Portanto, a nutrição pode desempenhar um papel central na doença, pois a dieta determina em grande parte quais as bactérias que colonizam o intestino. "A mudança dos hábitos alimentares poderia explicar, por exemplo, por que é que a incidência de esclerose múltipla tem aumentado nos países asiáticos nos últimos anos", explica Hartmut Wekerle.
O conhecimento exato de quais as bactérias que estão envolvidas no aparecimento da esclerose múltipla ainda não está claro. Candidatos possíveis são clostridiums, que podem ter contato direto com a parede intestinal. Eles também são um componente natural da flora intestinal saudável, mas poderiam ativar as células T em pessoas com predisposição genética. Os cientistas gostariam agora de analisar o genoma microbiano inteiro de pacientes com esclerose múltipla e, assim, identificar as diferenças na flora intestinal de pessoas saudáveis e pacientes com a doença.

Fonte: Science Daily

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Investigadores conseguem recuperar pulmão de ratos com enfisema

Embora possa ser a terceira maior causa de morte até 2020, as doenças pulmonares obstrutivas crónicas são pouco compreendidas pela medicina. Agora, no entanto, um estudo publicado no periódico científico especializado Cell, conduzido por uma equipa da Universidade de Giessen, na Alemanha, lança luz sobre o problema. Ao estudar ratos expostos ao fumo de cigarro durante meses, o pesquisadores encontraram uma forma de recuperar pulmões danificados.
“Não era muito claro o que causava a doença e não há nenhuma terapia para parar ou reverter a destruição do pulmão com enfisema”, diz Norbert Weissman, envolvido na pesquisa. Nos últimos 20 anos, nenhuma novidade em relação à doença foi alcançada em estudos. Não se sabia exatamente se a inflamação das vias respiratórias e a diminuição da função respiratória, frequentemente acompanhadas de hipertensão pulmonar – essencialmente pressão do sangue nos pulmões – seriam as causas ou consequências do enfisema.
Ao realizar as experiências com roedores, a equipa obteve fortes evidências de que as mudanças nos vasos sanguíneos pulmonares e o desenvolvimento de pressão alta precedem o desenvolvimento do enfisema. Além disso, a equipa conseguiu identificar o papel de uma enzima – iNOS – sobre a produção de óxido nítrico – importante, se equilibrado, para a abertura dos vasos. Quando esse sistema se desestabiliza, os níveis de óxido nítrico disparam. As moléculas sofrem então reações químicas, formando-se peroxinitrito, que leva à destruição do tecido pulmonar.
Para testar a teoria, os pesquisadores observaram roedores que foram submetidos a medicamentos (já utilizados em ensaios clínicos aparentemente sem efeitos colaterais) para inibir a enzima iNOS. Como resultado, viram que os animais estavam protegidos contra o enfisema e a hipertensão pulmonar. O tratamento também reverteu o curso da doença.
Agora, a equipa planeia testar os resultados submetendo os animais a uma terapia inalatória, com a esperança de que a droga atinja as concentrações terapêuticas apenas onde ela é realmente necessária.

Fonte: Ciência Diária

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Solução para a energia solar

Por J. Michael Coren

A visão padrão da energia solar é um deserto cheio de painéis, certo? Então, acha que o melhor lugar para painéis solares seria o deserto? Pense novamente. Na Antártida, o sol brilha 24 horas por dia.
A energia solar estaria “em casa” no deserto, porque o deserto é quente. Mas o Ártico, com toda certeza, seria o local ideal.
A maioria de nós tem dificuldade em imaginar os painéis solares entre as extensões geladas e cadeias de montanhas da América do Sul ou Nepal, mas as regiões ensolaradas desses lugares podem gerar mais energia por hectare do que muitos dos desertos do mundo, de acordo com artigo publicado na Environmental Science & Technology.
O novo estudo identificou as montanhas do Himalaia, os Andes e até mesmo a Antártida entre as paisagens mais promissoras do mundo em energia solar, pelo menos na teoria. As regiões (mais planas) em torno do monte Everest, por exemplo, poderiam gerar energia para os grandes empreendimentos industriais da China. Nas regiões polares, onde as temperaturas podem mergulhar a mais de 50 graus abaixo de zero, mas a luz do sol brilha 24 horas por dia durante metade do ano, a tecnologia solar também poderia ser eficaz. Energia solar e eólica já foram fontes de energia importantes para as bases de pesquisa da Antártida equipadas com muitos megawatts de capacidade de energias renováveis.
A fim de identificar os melhores lugares para a energia solar, os pesquisadores usaram dados disponíveis de clima para contabilizar os efeitos da temperatura sobre a produção de células solares, com variáveis, tais como perdas de transmissão e queda de neve a ser considerada no futuro. Potencial, no entanto, não é a realidade. Porquê recolher todas essas informações se a maior parte dessa energia potencial nunca será aproveitada? Porque os mapas podem catalisar o investimento em larga escala em potencial de energia renovável, como se tem na Califórnia, onde os dados de mapas eólicos ajudaram a permitir que os estudos de indústria eólica investissem em locais promissores.
Os próximos passos serão descobrir a infraestrutura e economia de uma nova grade solar. Poder criar na Antártida é uma coisa. Trazer isso para a civilização é outro ponto, consideravelmente mais desafiador.

Fonte: Scientific American

domingo, 13 de novembro de 2011

Células estaminais pulmonares oferecem pistas terapêuticas

Guiados por ideias sobre como os ratos recuperam depois da gripe H1N1, os pesquisadores da Harvard Medical School e do Hospital Brigham and Women, juntamente com pesquisadores da A*STAR de Singapura, clonaram três células estaminais distintas das vias aéreas humanas e demonstraram que uma destas células pode formar-se no tecido dos alvéolos do pulmão. Além do mais, os pesquisadores mostraram que essas células estaminais pulmonares são rapidamente implantados num processo dinâmico de regeneração do pulmão para combater danos causados por infecção ou doença crónica. "Essas descobertas sugerem novas estratégias baseadas em células e factores para a regeneração do pulmão, após danos agudos de infecção, e mesmo em condições crónicas, como fibrose pulmonar", disse Frank McKeon, professor de biologia celular na Harvard Medical School. Outros autores séniores do artigo incluem Wa Xian do Instituto de Biologia Médica de Singapura e Hospital Brigham and Women, e Christopher Crum, Diretor do Women’s and Perinatal Pathology do Hospital Brigham and Women. Os pesquisadores trabalharam como parte de um consórcio internacional envolvendo cientistas de Singapura e França.
Os resultados serão publicados na revista Cell.
Por muitos anos, os médicos observaram que os pacientes que sobrevivem a síndrome respiratória aguda (ARDS), uma forma de danos nas vias aéreas que envolve destruição em massa de grandes regiões do tecido pulmonar, muitas vezes recuperam uma função pulmonar considerável num espaço de 6 a 12 meses. Mas os pesquisadores não sabiam se essa recuperação era devido à regeneração do pulmão ou a algum outro tipo de remodelação adaptativa.
"Este estudo ajuda a eliminar a incerteza", disse McKeon. "Nós descobrimos que os pulmões têm de facto um potencial sólido de regeneração, e nós temos identificado as células estaminais específicas responsáveis por esse process."
Para avaliar o potencial de regeneração do pulmão, Xian, McKeon e colegas infectaram murganhos com uma dose subletal de uma estirpe virulenta do vírus influenza A, H1N1. Após duas semanas de infeção, esses ratos mostraram uma perda de quase 60% do tecido do pulmão, mas, incrivelmente, em três meses os pulmões pareciam completamente normais em todos os critérios histológicos.
Estas descobertas demonstraram a verdadeira regeneração do pulmão, mas levantaram a questão da natureza das células estaminais subjacentes a este processo regenerativo.
A adaptação dos métodos de clonagem de células estaminais da epiderme da pele pioneiramente utilizados por Howard Green, Professor de Biologia Celular no HMS e vencedor do prémio Warren Alpert Foundation de 2010, permitiu aos pesquisadores clonarem as células estaminais das vias aéreas do pulmão numa placa de cultura e observarem como é que elas se diferenciaram em estruturas incomuns com perfis genéticos semelhantes aos alvéolos pulmonares.
"Isso foi surpreendente para nós", disse Xian ", e mais ainda quando observámos as que as mesmas populações de células estaminais estavam envolvidas na formação de alvéolos durante o pico de infecções com H1N1 em murganhos." Os pesquisadores traçaram geneticamente a formação de novos alvéolos para uma população discreta de células estaminais nas terminações das vias aéreas condutoras que rapidamente se dividem em resposta à infecção e migram para locais de lesão pulmonar.
Os cientistas ficaram intrigados quando a dissecção molecular destes alvéolos incipientes revelou a presença de um conjunto de moléculas sinalizadoras conhecidas por controlar o comportamento das células, sugerindo a possibilidade de que essas moléculas coordenam o processo de regeneração em si.
Atualmente a equipa está a testar a possibilidade de que os fatores secretados que foram observados podem promover a regeneração, sugerindo uma abordagem terapêutica para doenças como a doença pulmonar obstrutiva crónica e até mesmo a asma. Eles também prevêem a possibilidade de que essas células estaminais distais das vias aéreas podem contribuir para reparar pulmões afetados por fibrose irreversível, condições resistentes às terapias atuais.

Fonte: E! Science News

sábado, 12 de novembro de 2011

Sonho lido pela primeira vez por scanner cerebral

O mundo secreto dos sonhos poderá em breve ser desvendado. Neurocientistas inovadores já começaram a descobrir os pensamentos de pessoas acordadas - agora, uma equipa acha que é possível usar métodos semelhantes para analisar sonhos.
Para descobrir se os sonhos podiam ser lidos da mesma maneira como os pensamentos quando se está acordado, Czisch Michael e Martin Dresler do Instituto Max Planck de Psiquiatria, em Munique, Alemanha, e os seus colegas aplicaram uma tecnologia de monitorização cerebral em sonhadores lúcidos.
"Um sonho lúcido é simplesmente um sonho em que você percebe que está a sonhar", diz Dresler. A rara capacidade de "acordar" enquanto ainda se está num sonho e estar no controlo das suas ações - e dos seus sonhos - torna os sonhadores lúcidos uma mais valia para os pesquisadores dos sonhos: são as únicas pessoas que podem de forma confiável e em tempo real, comunicar o que estão a sonhar - geralmente com o movimento dos olhos.
Depois de localizar seis indivíduos que diziam ser capazes de ter sonhos lúcidos quase todas as noites, a equipa usou a ressonância magnética funcional e espectroscopia no infravermelho próximo para observar a atividade do cérebro de cada pessoa à medida que cerravam a mão enquanto acordadas. Depois, compararam a atividade cerebral associada a imaginar um aperto de mão, e a apertar a mão num sonho lúcido.
Máquinas de sonhos
Sem surpresa, não foi fácil saber quando os voluntários estavam a sonhar que estavam a apertar a mão. O grupo usou uma combinação de métodos de monitorização conhecidos coletivamente como polissonografia para verificar se os participantes estavam no estado de movimento rápido dos olhos (REM) característico do do sono, no qual se tende a estar na maioria dos sonhos. Isto envolveu a medição da atividade cerebral, e o controlo e monitorização dos movimentos oculares e dos músculos do queixo, que estão paralisados durante o sono REM.
Ao mesmo tempo, a equipa monitorizou a atividade cerebral dos sonhadores através de ressonância magnética funcional ou espectroscopia de infravermelho próximo, por turnos. Ambas as técnicas mostram que áreas do cérebro estão ativas, medindo o sangue oxigenado.
Para permitir que os pesquisadores soubessem quando tinham entrado num sonho lúcido e que estavam intencionalmente a apertar a mão no sonho, cada participante foi instruído a mover os olhos da esquerda para a direita, num determinado número de vezes. Mesmo quando sonharam que estavam a apertar as mãos, os sonhadores lúcidos não as apertaram na realidade.
Disjuntores de sono
A experiência foi difícil de efetuar. "Os participantes têm que adormecer num scanner, alcançar o sono REM e entrar num sonho lúcido suficientemente estável o suficiente para a aquisição de dados", diz Czisch. Como resultado, a equipa só conseguiu investigar plenamente dois sonhos vividos por sonhadores diferentes.
Em ambos os casos, a equipa foi capaz de detectar a atividade cerebral do sonho associado ao aperto de mão, o que se revelou muito semelhante ao observado ao imaginar o aperto de mão. O verdadeiro aperto de mão revelou um estilo de actividade semelhante, mas com uma maior área de ativação. "Este é um estudo de prova de conceito, e fornece a primeira evidência de que pode ser possível a utilização de imagens do cérebro para ler o conteúdo do sonho de uma pessoa", diz Czisch.
Daniel Erlacher da Universidade de Berna na Suíça, que descreve o estudo como "um trabalho brilhante", concorda. "Se se pode obter uma leitura detalhada das funções cerebrais e saber o que cada uma representa, é possível ler os sonhos."

Fonte: New Scientist

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Árvore evolucionária dos moluscos completa

"Aqui está este grupo grande e diversificado de animais, e não sabíamos como eles estavam relacionados entre si", disse Casey Dunn, um biólogo evolucionista da Universidade Brown, que se especializou na construção de árvores evolutivas. Alguns ramos eram bem conhecidos, disse Dunne: "mas o que realmente faltava era uma amplitude de amostragem."
Num artigo na revista Nature, os pesquisadores da Brown e instituições colaboradoras têm reunido a filogenia mais abrangente - árvore evolucionária - para moluscos. Para realizar essa façanha, a equipa recolheu espécimes difíceis de encontrar através de um esforço de amostragem global, incluindo um grupo de organismos que, até recentemente, se julgava estar extinto há milhões de anos. A equipa sequenciou milhares de genes a partir de amostras e comparou-os através de análises computacionais intensivas, envolvendo o supercomputador de Brown, que a Universidade instalou em 2009.
O resultado: A filogenia dos moluscos está agora "resolvida em larga escala", disse Dunn, professor assistente de biologia no Departamento de Ecologia e Biologia Evolucionária e autor do estudo.
O estudo é notável também porque é o primeiro a colocar o grupo Monoplacophora, o misterioso grupo de animais do oceano profundo que se assemelham a lapas. Os cientistas pensavam que o grupo estava extinto, até que um espécime foi capturado em 1952 na costa do México. Uma expedição em 2007, liderada por Nerida Wilson, agora no Museu da Austrália e um dos autores do estudo, recolheu alguns monoplacophorans ao largo da costa da Califórnia. A equipa extraiu o material genético - numa tentativa única de obtenção das assinaturas genéticas necessárias para determinar como é que os monoplacophorans se encaixam na árvore genealógica dos moluscos.
O resultado foi surpreendente: os monoplacophorans estão próximos dos cefalópodes, que incluem polvos, lulas e nautilus. "Os cefalópodes são tão diferentes de todos os outros moluscos, que era muito difícil entender com quem é que eles estão relacionados. Eles não se encaixam no resto do grupo", disse Dunn. "Agora, temos uma situação onde dois dos grupos mais enigmáticos dentro dos moluscos aparentam ser grupos irmãos."
Numa reviravolta interessante, os paleontólogos haviam descrito o relacionamento monoplacophoran-cefalópode na década de 1970, apoiando a sua reivindicação na evidência de que os mais antigos cefalópodes e monoplacophorans fossilizados apresentavam conchas com câmaras internas. Os monoplacophorans modernos ainda carregam conchas, mas já não têm câmaras. "Quando chegamos com estes dados a um nível de genoma, acabamos por ressuscitar esta hipótese velha da paleontologia", disse Dunn. Os resultados da análise genéticos mostram que os paleontólogos estavam certos.
Ao estabelecer a estreita relação evolutiva entre monoplacophorans e cefalópodes, os pesquisadores dizem ter respondido diretamente à pergunta de uma única origem para moluscos sem casca. Essa espécie ancestral ainda não é conhecida, mas o grupo está confiante de que monoplacophorans e cefalópodes apresenteam mais em comum, evolutivamente falando, com moluscos com concha do que com os grupos de moluscos sem concha aplacophora e polyplacophora.
"O que descobrimos é que esses moluscos parecidos com vermes (aplacophora) e chitons (Polyplacophora) estão mais intimamente relacionados uns com os outros, e divergiram antes da origem da concha", disse Dunn. "Eles são moluscos, mas eles formaram esse grupo que se separou antes das conchas virem junto."
Ao todo, a equipa recolheu amostras de 15 espécies. Pesquisadores da Brown University e Harvard sequenciaram centenas de milhares de sequências de genes e compararam as sequências genéticas com o que se sabe sobre a composição genética de outras espécies de moluscos.
"Estamos a tentar entender como é que essas espécies estão relacionadas, quais as suas relações evolutivas. Fazemos isso através da análise das partes conservadas dos seus genomas e construimos uma árvore evolutiva", disse Stephen Smith, pesquisador pós-doutorado na Brown e primeiro autor do estudo, que projetou a análise genética computacional.

Fonte: Science Daily

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

A Biodiversidade pode ter sido recuperada mais rápido do que se supunha

A causa da grande extinção que pontuou a história terrestre entre o Permiano e o Triássico (há cerca de 250 milhões de anos), com o desaparecimento de 95% das espécies do planeta, ainda é incerta. Mas pesquisadores da Universidade de Rhode Island, nos EUA, afirmam que a recuperação da biodiversidade ocorreu mais rápido do que se supunha, contradizendo algumas teorias atualmente propostas para o período.
David Fastovsky, professor de geociências na Rhode Island, e o estudante David Tarailo descobriram que a biodiversidade terrestre foi recuperada em aproximadamente 5 milhões de anos. Estudos anteriores estimavam um período de 15 a 30 milhões de anos. O ambiente marinho pode ter demorado de 4 a 10 milhões de anos para se recuperar, praticamente o dobro do tempo observado após outras extinções em massa.
“Os nossos resultados sugerem que a causa da extinção não cai tão severamente sobre o reino terrestre, como as pessoas têm afirmado”, diz Fastovsky. “Houve, ainda, uma extinção terrestre, mas a sua repercussão não foi maior do que a marinha e, possivelmente, até menor”. Se for verdade que o ambiente terrestre foi recuperado tão rápido quanto o marinho, as teorias que defendem que ambos os ambientes foram afetados da mesma forma podem ser abandonadas.
Para chegar a essas conclusões, os pesquisadores basearam-se em fósseis de vertebrados do Triássico Médio e Triássico Superior encontrados no Arizona. Segundo Tarailo e Fastovsky, se a fauna terrestre demorou 30 milhões de anos para se recuperar, a formação mais antiga deveria ter uma diversidade menor do que a mais nova. No entanto, não foi isso o que observaram.
“Alguns podem argumentar que os nossos resultados são apenas um dado orientado à América do Norte, mas se a América do Norte é representativa para o resto do mundo, então os nossos resultados aplicam-se a todo o mundo”, ressalta Fastovsky. A equipa planeia agora expandir a sua análise a outros depósitos fósseis e testar os resultados em outras partes do mundo.

Fonte: Ciência Diária

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Toxinas à Nossa Volta

por Patricia Hunt

Susan começa o dia a correr pelas ruas da cidade, cortando caminho por um milheiral para tomar um chá de ervas no centro e voltar para casa para tomar banho. Isto soa como uma rotina matinal saudável, mas ela está de fato a expor-se a uma quantidade perigosa de produtos químicos: pesticidas e herbicidas no milho, plastificantes no seu copo de chá e uma ampla gama de ingredientes usados para perfumar o seu sabonete e aumentar a eficiência do seu champô e amaciador. A maioria dessas exposições é baixa o suficiente para ser considerada trivial. Mas elas não são desprezáveis de forma alguma, em especial porque Susan está grávida de seis semanas.
Os cientistas estão cada vez mais preocupados com o facto de que até mesmo níveis extremamente reduzidos de alguns poluentes ambientais podem ter efeitos danosos significativos no nosso organismo. Alguns dos produtos químicos que estão à nossa volta têm a habilidade de interferir com o sistema endócrino, responsável pela regulação das hormonas que controlam o peso, biorritmo e reprodução. Hormonas sintéticas são usadas clinicamente para evitar a gravidez, controlar os níveis de insulina em diabéticos, compensar uma glândula tiróide deficiente e aliviar sintomas da menopausa. Você não pensaria em tomar essas drogas sem uma prescrição médica, mas, sem saber, fazemos algo semelhante todos os dias.
Um número crescente de médicos e cientistas está convencido de que essas exposições a produtos químicos contribuem para a obesidade, endometriose, diabetes, autismo, alergias, cancro e outras doenças. Estudos em laboratório – principalmente com ratos, mas também em humanos – têm demonstrado que níveis baixos de produtos químicos que interrompem o sistema endócrino induzem mudanças subtis no feto em desenvolvimento, o que acaba por ter efeitos profundos na saúde durante a vida adulta e até em gerações posteriores.
Os produtos químicos que uma grávida consome durante o curso de um dia típico podem afetar os seus filhos e os seus netos. Isto não é apenas uma experiência de laboratório: na realidade vivemos isso. Muitos de nós, nascidos nos anos 1950, 1960 e 1970, fomos expostos no útero ao dietilestilbestrol, ou DES, um estrógeno sintético prescrito a mulheres grávidas numa tentativa equivocada de evitar abortos espontâneos. Um artigo na edição de junho do New England Journal of Medicine chamou de “impactantes” as lições aprendidas a respeito do efeito na vida adulta da exposição de fetos humanos ao DES.
Nos Estados Unidos, duas agências federais, a Food and Drug Administration (Agência de Alimentos e Drogas) e a Environmental Protection Agency (Agência de Proteção Ambiental), são responsáveis por banir produtos químicos perigosos e assegurar que produtos químicos presentes na nossa alimentação e medicamentos foram amplamente testados.
Cientistas e médicos americanos de diversas especialidades estão preocupados. Para eles, os esforços das duas agências são insuficientes diante do complexo cocktail de produtos químicos no ambiente. Atualizando uma proposta de 2010, o senador Frank R. Lautenberg, de Nova Jersey, propôs uma legislação este ano para criar o Safe Chemicals Act (Ato dos Produtos Químicos Seguros) de 2011. Se aprovado, as companhias químicas seriam obrigadas a demonstrar a segurança de seus produtos antes de comercializá-los. Isso é perfeitamente lógico, mas requer um programa de rastreio e teste próprio para produtos que prejudicam o sistema endócrino. A necessidade desses testes foi reconhecida há mais de uma década, mas ninguém ainda elaborou um protocolo que funcione.
Os legisladores também não podem interpretar a crescente evidência de estudos de laboratório, muitos deles com técnicas e métodos de análises impossíveis de imaginar quando os testes toxicológicos foram desenvolvidos nos anos 1950.
É como fornecer a um criador de cavalos informações da sequência genética de cinco garanhões e pedir a ele ou ela que escolham o melhor cavalo. Interpretar os dados exigiria uma ampla gama de experiência clínica e científica.
Por isso sociedades profissionais representando mais de 40 mil cientistas escreveram uma carta para o FDA e o EPA oferecendo o seu conhecimento. As agências deveriam aceitá-lo. Os cientistas académicos e os médicos precisam de um lugar à mesa com o governo e os cientistas da indústria. Devemos isso às mães de toda parte, que querem dar aos seus filhos a melhor chance de se tornarem adultos saudáveis.

Fonte: Scientific American

terça-feira, 8 de novembro de 2011

O QI pode mudar durante a adolescência

As mudanças acentuadas que ocorrem na adolescência podem afetar o QI. O QI de uma pessoa pode subir muito durante a adolescência, enquanto regiões correspondentes do cérebro podem diminuir a sua capacidade, de acordo com um estudo publicado na revista Nature.
Os resultados sugerem que o número de QI de uma criança não é imutável, como muitos pesquisadores acreditam, diz o neurocientista Richard Haier, da Universidade da Califórnia, Irvine. "Este é um artigo extremamente interessante."
Em 2004, Cathy Price do Wellcome Trust Centre for Neuroimaging da University College London e os seus colegas testaram o QI de 33 participantes saudáveis que tinham, em média, 14 anos. Enquanto os adolescentes estavam no laboratório, o cérebro regiões do cérebro em particular eram cuidadosamente analisadas.
Cerca de quatro anos mais tarde, Price e a sua equipa convidaram os adolescentes para uma nova análise. No geral, as pontuações de QI mantiveram-se estáveis: a média de QI foi 112 em 2004 e 113 quatro anos depois. Mas quando os pesquisadores olharam para os padrões individuais, eles descobriram que cerca de um terço dos adolescentes tiveram mudanças significativas no QI, sendo que alguns revelaram mudanças muito significativas.
Uma queda de 18 pontos de QI – o que seria suficiente para baixar uma pessoa de estatuto de génio para apenas acima da média. O teste também revelou um ganho de QI de 21 pontos - o que elevaria uma pessoa abaixo da média para acima da média. Algumas pessoas que apresentaram dos resultados mais altos na primeira análise subiram ainda ainda mais na segunda análise, e alguns que tiveram uma primeira pontuação baixa, tiveram uma ainda pior depois.
Para Price e os seus colegas, estes resultados foram tão surpreendentes que inicialmente suspeitaram da existência de explicações mundanas, como as diferenças nos níveis de concentração no momento de cada teste. Mas os dados de scan ao cérebro revelaram o contrário.
As mudanças de QI foram acompanhadas por mudanças na matéria cinzenta dos cérebros, que é composta por células nervosas. O aumento no QI verbal relacionou-se com matéria cinzenta mais densa no lado esquerdo do córtex motor, uma parte do cérebro que está envolvida na fala. E o aumento no desempenho do QI, que mede habilidades, tais como imagens a compreensão, foram acompanhadas por matéria cinzenta mais densa no cerebelo anterior, uma parte do cérebro importante para o movimento.
Estas mudanças no cérebro significam que é menos provável que as variações de QI sejam consequência de um dia mau nos testes, diz Price. "Assim, concluímos que as flutuações foram mudanças significativas no QI, e não erros de medição", afirma.
Evidências de uma inteligência maleável podem mudar a forma como as habilidades das pessoas são avaliadas, diz ela. Por exemplo, pode ajudar os educadores a perceber que as pontuações de inteligência ainda estão em desenvolvimento durante a adolescência.
Alguns estudos, incluindo os trabalhos de Haier, descobriram que o treino cerebral intenso pode aumentar a massa cinzenta, embora ninguém saiba exatamente como é que essas mudanças cerebrais se relacionam com o QI.
Uma vez que o estudo atual seguiu adolescentes com vidas normais, os cientistas não sabem o que levou às mudanças de QI e do cérebro. O rápido desenvolvimento na socialização, escola e desportos pode influenciar o cérebro, Haier diz: "Tanta coisa acontece na adolescência."

Fonte: Science News

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Os músculos relaxados ficam mais pequenos do que o esperado

Pesquisadores australianos descobriram um aspecto inteiramente novo no comportamento do músculo humano, que tem implicações para o tratamento da esclerose múltipla e dos acidentes vasculares cerebrais (AVCs).
O professor Simon Gandevia, do Neuroscience Research Australia e da Universidade de New South Wales, e os seus colegas, publicaram as suas descobertas na revista Journal of Physiology.
Gandevia e a sua equipa descobriu que quando os músculos humanos estão completamente relaxados, as fibras musculares não encurtam apenas, tornando-se também onduladas e dobradas sobre si mesmas.
Embora isto pareça paradoxal, significa que em repouso os músculos estão num estado em que não sofrem nenhuma tensão.
"Imagine um pedaço de corda ou fio que se encontra em tão baixa tensão [ou folga] que se dobra sobre si", diz Gandevia.
Gandevia e os seus colegas recrutaram para o seu estudo 25 adultos com idades entre 21-86 anos, sem história de lesão músculo-esquelética.
Enquanto os participantes estava numa mesa com o seu joelho esquerdo dobrado, o seu tornozelo esquerdo foi amarrado a uma platina.
A platina foi movida para cima e para baixo para que os participantes dobrassem e endireitassem alternadamente o tornozelo, forçando as fibras musculares a alongar-se e encurtar-se alternadamente.

"Mais pequeno que os pequenos”Foram efetuadas imagens de ultra-som para ver o que estava a acontecer nas fibras musculares.
"Ficamos completamente surpreendidos com o que vimos anteriormente Anteriormente tínhamos juntado algumas evidências de que quando as fibras musculares se encurtam, na realidade não produzem qualquer tensão eficaz -. Mas nunca imaginamos que na realidade eles ficavam mais pequenos do que os pequenos - que eles realmente se dobram, diz Gandevia.
"É um verdadeiro acontecimento na fisiologia quando se consegue visualizar algo num ecrã que nunca ninguém viu antes no músculo humano."
Gandevia diz que a sua equipa tinha-se interessado no que acontece na propriedade passiva dos músculos, quando não estão em contração.
"Essas propriedades são importantes, porque elas determinam em que ângulo as suas articulações podem dobrar-se quando você está relaxado", diz ele.

ImplicaçõesA descoberta permitirá aos pesquisadores construírem modelos mais precisos da função muscular e melhorar a compreensão de distúrbios em que os músculos se tornam realmente curtos, diz Gandevia, nomeadamente após um acidente vascular cerebral, ou na esclerose múltipla, onde você não pode, por exemplo, endireitar o seu cotovelo na totalidade.
Gandevia diz que a próxima etapa da pesquisa será a de selecionar alguns pacientes que têm um estado muscular anormal para ver se a tendência para formar este estado relaxado está alterada ou não.
"Isso dava-nos uma visão sobre as alterações que têm ocorrido no músculo patologicamente afetado. Provavelmente, dar-nos-ia algumas pistas sobre que parte do músculo sofreu essas mudanças", diz ele.
"Agora que conhecemos este estado de relaxamento, podemos utilizá-lo como um ponto de medição, pois você pode levar o músculo a um determinado comprimento e sabe que começa a dobrar-se a partir desse comprimento. Então você poderia analisar os pacientes posteriormente, e ver se esse ângulo [do membro] em que começou a dobrar-se está alterado. "
A equipa de estudo incluiu pesquisadores do Instituto George, da Universidade de Sydney, e do Instituto de Pesquisa Médica Kolling.

Fonte: ABS Science

domingo, 6 de novembro de 2011

Desigualdade de género e sexismo

As crenças individuais não ficam confinados à pessoa que as tem, elas podem afetar também o funcionamento de uma sociedade. Um novo estudo publicado na revista Psychological Science, uma publicação da Association for Psychological Science, analisou 57 países e descobriu que o sexismo de um indivíduo leva à desigualdade de género na sociedade como um todo - não é surpreendente, mas é o maior estudo realizado para encontrar esta relação. "Estou interessado nas consequências das crenças das pessoas sobre como o mundo deve funcionar e como o mundo funciona", diz Mark Brandt da DePaul University, o autor do novo estudo. Para este estudo sobre sexismo, ele usou dados de uma pesquisa internacional conduzida entre 2005 e 2007. A pesquisa incluiu duas declarações para medir o sexismo: "No geral, os homens são melhores líderes políticos do que as mulheres" e "No geral, os homens são melhores executivos de negócio do que as mulheres." Ele também usou uma medida das Nações Unidas de desigualdade de género, a partir do ano em que a questão sexista foi perguntada e a partir de 2009.
Brandt revelou que o sexismo estava diretamente associado com o aumento da desigualdade de género.
"Você poderia ter a impressão de que ter crenças sexistas, preconceituosas ou crenças em geral, é apenas uma coisa individual -" as minhas crenças não têm impacto em você '", diz Brandt. Mas este estudo mostra que isso não é verdade. Se as pessoas individuais de uma sociedade são sexistas, os homens e mulheres dessa sociedade tornam-se menos iguais.
"A desigualdade de género é algo tão difícil de ultrapassar porque há tantos fatores que contribuem para a mesma", diz Brandt. As políticas podem contribuir para a desigualdade - e alguns países têm segurado alguma medida de igualdade, exigindo que um determinado número de assentos na legislatura esteja reservado para as mulheres. Mas este estudo sugere que, se o objetivo é uma maior igualdade, as atitudes individuais têm que mudar.
O artigo é intitulado "A desigualdade de género e o sexismo em 57 Sociedades".

Fonte: E! Science News

sábado, 5 de novembro de 2011

Consumo diário de aspirina reduz o risco de desenvolvimento de cancro colo-retal

A aspirina reduz drasticamente o risco de se desenvolver cancro colo-retal em pessoas com histórico familiar da doença, fornecendo a evidência mais direta até agora de que essa droga pode ser usada para prevenção do cancro.
Embora estudos anteriores tenham sugerido que a aspirina pode prevenir o cancro, este é o primeiro estudo onde o objetivo principal era analisar se a droga reduziu o risco de cancro. "Tentámos ver se a aspirina poderia prevenir o cancro, e é o que ela faz", diz John Burn da Universidade de Newcastle, Reino Unido, que liderou o estudo.
Embora o estudo se tenha concentrado no cancro colo-retal hereditário, ele adiciona peso ao argumento de que qualquer pessoa com alto risco de cancro colo-retal - e possivelmente outros cancros - deve considerar tomar a droga.
O cancro colo-retal é uma das principais causas de morte relacionadas com cancro, com cerca de 160.000 novos casos diagnosticados a cada ano só nos EUA. Destes, 2-7% são causados por uma forma hereditária da doença chamada de síndrome de Lynch, que afeta os genes responsáveis pela detecção e reparação de danos no DNA e aumentam o risco de cancro colo-retal e do útero.
Dois anos
Burn e os seus colegas estudaram 861 pessoas com síndrome de Lynch, que começaram a tomar dois comprimidos de 300 mg de aspirina por dia, ou um placebo, entre 1999 e 2005. Em 2010, houve 19 novos casos de cancro colo-retal naqueles que tinham tomado aspirina e 34 no grupo placebo.
No entanto, quando eles olharam para aquelas pessoas que tinham tomado aspirina por mais de dois anos – cerca de 60% do total - os efeitos foram ainda mais pronunciados, com 10 casos de cancro no grupo da aspirina e 23 naqueles que tomaram placebo - uma redução de 63%.
"Este estudo fornece a primeira evidência que a aspirina é eficaz na redução do risco muito elevado de cancro que essas pessoas têm", diz Peter Rothwell, da Universidade de Oxford, que no início deste ano publicou resultados que sugeriam que uma dose diária de 75 mg de aspirina por mais de cinco anos reduziu o risco de morte em cerca de 34% para todos os cancros e cerca de 54% para os cancros gastrointestinais, tais como do esófago, estômago, intestino, pâncreas e cancro do fígado. "Sem as provas anteriores de que a aspirina previne o cancro colo-retal na população em geral, seria difícil generalizar os resultados para as pessoas sem a síndrome de Lynch. Como já sabemos o que a aspirina faz, esse dado é muito poderoso para ajudar a remover qualquer dúvida de que o efeito pode ser generalizado. "

O risco e o benefícioMas e quanto à redução do risco de outros cancros que não o colo-retal? Quando a equipa de Burn olhou para todos os cancros relacionados com a síndrome de Lynch, incluindo o cancro do útero, quase 30% das pessoas que tomaram o placebo e 15% das pessoas que tomaram aspirina desenvolveram um cancro. Outros estudos, como o de Rothwell, também têm demonstrado um benefício em relação ao cancro de forma mais ampla, embora haja menos evidências de que ela previne cancros relacionados com os níveis hormonais, como o cancro da mama ou da próstata.
No entanto, a aspirina também aumenta ligeiramente o risco de hemorragias gastrointestinais e úlceras, o que significa que esse risco tem que ser tido em conta em relação com os potenciais benefícios.
"Eu tomo aspirina, e isso foi um julgamento equilibrado com base em ponderação dos riscos e benefícios", diz Burn, que acrescenta que há atualmente cerca de 25 anos de dados observacionais que sugerem uma ligação entre a aspirina e um risco reduzido de cancro. "Toda a gente pode ter as provas e fazer a sua própria escolha."
Ligação à inflamação?No presente estudo, 11 pessoas no grupo da aspirina e 9 pessoas no grupo placebo tiveram uma hemorragia gastrointestinal ou úlcera durante o decorrer do estudo. O risco de efeitos colaterais podem ser reduzidos pela ingestão de aspirina com revestimento entérico ou antiácidos para reduzir a irritação do estômago, embora antes de se começar a tomar aspirina regularmente se deva consultar o médico.
Quanto à forma como a aspirina previne o cancro, uma possibilidade é que ela bloqueia a Cox-2, uma enzima associada à inflamação, que é muitas vezes sobre-regulada no cancro colo-retal. "Uma teoria é que o bloqueio doo processo inflamatório, de alguma forma diminui o desenvolvimento do cancro", diz Burn.
A aspirina também parece prevenir o desenvolvimento inicial do cancro. Trabalhos de laboratório demonstraram que o salicilato, o princípio ativo da aspirina, aumenta a apoptose - morte celular programada - se as células desenvolverem uma anormalidade, quando se dividem. Uma vez que as células que revestem o cólon são substituídas a cada cinco dias por uma população residente de células estaminais que está em constante divisão, Burn diz: "O que pode estar a acontecer é que o salicilato aumenta a morte celular das células estaminais malignas."

Fonte: New Scientist

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Os efeitos das drogas na atenção

Trabalhando com ratos, pesquisadores da Washington University School of Medicine em St. Louis mostraram que se pode utilizar scans do cérebro para testar rapidamente se as drogas aumentam os níveis de uma substância química cerebral conhecido como dopamina.
Num estudo publicado no ano passado, o mesmo grupo concluiu que o aumento dos níveis de dopamina nos ratos alivia o défice de atenção causado pela neurofibromatose tipo 1 (NF1), uma condição que afeta mais de 100.000 pessoas nos Estados Unidos. Cerca de 60-80% das crianças com NF1 têm algum tipo de problema de défice de atenção.
"Muitas crianças com NF1 debatem-se esse problema, e a procura de formas para ajudar a aliviar problemas de atenção é uma alta prioridade", diz David H. Gutmann, MD, PhD, e professor de Neurology. "A técnica que nós refinámos pode tornar possível a aplicação de tratamentos específicos para os pacientes com NF1 e défice de atenção, que são os que têm maior probabilidade de beneficiar com os tratamentos." Os resultados foram publicados na revista Experimental Neurology.
Os sintomas de défice de atenção associados a NF1 são semelhantes aos que afectam as crianças na população em geral. Mas não está claro se as mudanças no cérebro que estão por trás desses problemas em crianças com NF1 são similares às mudanças cerebrais que causam défice de atenção na população em geral.
"Este modelo de rato pode não ser um modelo perfeito para todas as formas de défice de atenção, mas é um modelo fantástico para um tipo de disfunção do sistema de atenção", diz Gutmann. "Uma maior compreensão do que está errado em algumas crianças com NF1 pode levar a novos avanços sobre uma ampla variedade de problemas de atenção."
Gutmann é diretor do Neurofibromatose (NF) Center da Universidade Washington, um centro de referência nacional para os pacientes com todas as formas de neurofibromatose. O centro atua em pesquisa científica básica e ensaios clínicos, com o objetivo de desenvolver novas abordagens inovadoras para o tratamento de pacientes com NF.
Gutmann e os seus colegas criaram murganhos geneticamente modificados que desenvolvem problemas de atenção e tumores cerebrais relacionados com NF1.
No ano passado, Gutmann mostrou que uma dessas linhas de ratos tinha níveis mais baixos de dopamina numa parte do cérebro. Após o tratamento com a droga Ritalina, tanto os níveis cerebrais de dopamina como os défices de atenção nesses murganhos foram restaurados para valores normais.
"Antes do nosso estudo, não havia base molecular para a utilização de Ritalina para tratar crianças com NF1 e défices de atenção, por isso o seu uso dependia da prática do pediatra, a gravidade do défice de atenção e o quão confortáveis estavam os pais com o uso de medicação, "Gutmann afirma. "Em geral, apenas as crianças mais afetadas são tratadas, mas isso pode mudar no futuro."
Para o novo estudo, Gutmann colaborou com Robert Mach, PhD, professor de radiologia, que tinha vindo a trabalhar com um agente de imagem, raclopride, que se liga a receptores de dopamina no cérebro. As moléculas de raclopride podem ser detectadas por tomografia por emissão de positrões (PET).
Quando Jinbin Xu, PhD, professor de pesquisa em radiologia, usou raclopride para testar os níveis de dopamina em ratos não tratados, níveis mais baixos de dopamina no cérebro permitiram uma maior ligação do raclopride, criando uma imagem mais brilhante na análise de PET. Após o tratamento com ritalina, a ligação do raclopride diminuiu.
"Esta descoberta sugere que o raclopride avaliado por PET poderia ser usado como uma plataforma para testes pré-clínicos de medicamentos que podem afetar os níveis de dopamina do cérebro", diz Gutmann. "Podemos obter uma imagem numa hora e avaliar os efeitos da droga sobre o comportamento do rato num dia."
Cientistas da Universidade de Washington, incluindo David Wozniak, PhD, e Kelly Diggs-Andrews, PhD, e o ex-investigador da Universidade de Washington Jackie Brown, PhD, utilizaram o novo método para testar drogas adicionais. Um composto desenvolvido para bloquear a reciclagem de dopamina foi bem sucedido em restaurar os níveis de dopamina. Em contraste, uma outra droga, atualmente avaliada num ensaio clínico de problemas de aprendizagem em crianças com NF1, não aumentou os níveis de dopamina ou corrigiu o défice de atenção.
A realização de testes semelhantes em crianças, que utilizam a tecnologia PET atual, envolve a exposição a uma quantidade significativa de radiação, afirma Gutmann. No entanto, já está disponível um scanner novo na Universidade de Washington que combina PET e MRI e reduz a exposição à radiação, tornando-se possível considerar este método como viável para as crianças com NF1.
"No futuro prevemos um processo de prescreening que identifica crianças com níveis de dopamina reduzida com maior probabilidade de responder a Ritalina ou a outros medicamentos", diz Gutmann. "À medida que aprendemos mais sobre as diferentes formas de défice de atenção nessas crianças, pode ser possível usar os dados de prescreening e testes pré-clínicos de drogas em modelos de rato para selecionar a melhor droga para cada paciente."

Fonte: Science Daily