terça-feira, 31 de janeiro de 2012

O sonho de "O Homem Invísivel" está mais perto


Cientistas norte-americanos conseguiram pela primeira vez criar um material que permite envolver um objeto tridimensional e torná-lo invisível sob qualquer ângulo. A partir de um método conhecido como 'cloaking plasmonic' (disfarce plasmónico), os cientistas conseguiram ocultar um cilindro de 18 centímetros dentro do espectro eletromagnético das micro-ondas. Com isso, fazer desaparecer alguém será possível apenas em Hollywood... pelo menos por enquanto.
Parece que o sonho da invisibilidade de HG Wells está agora mais perto. No livro "O Homem Invisível" o escritor britânico conta a história - que depois foi levada ao grande ecrã por James Whale em 1933 - do cientista Griffin. Este descobre como fazer o índice de refração do corpo humano corresponder ao do ar e assim evitar que a luz se reflita nele, tornando-o invisível.
Agora, um grupo de cientistas norte-americano conseguiu tornar real o sonho da invisibilidade. Os investigadores criaram um invólucro, capaz de tornar invisível, pela primeira vez, a partir de qualquer ângulo, um objecto a três dimensões.
O estudo, publicado na revista "New Journal of Physics", foi realizado utilizando um método conhecido por "disfarce plasmónico" e com o material conseguiram ocultar um tubo cilíndrico de 18 centímetros dentro do espectro eletromagnético das micro-ondas. No entanto, falharam na luz visível.
Na apresentação da pesquisa, os cientistas explicaram que o olho humano é capaz de ver objectos porque os raios de luz ricocheteiam nos materiais. Mas devido às suas propriedades únicas o material plasmónico usado nesta pesquisa tem o efeito de dispersão causando a "invisibilidade em todos os ângulos de observação", explicou Andrea Alu, cientista da Universidade de Austin, no Texas.
O desafio da equipa é agora ocultar um objeto em 3D usando a luz visível.

Fonte: Diário de Notícias

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Peixes: cabeças estranhas evoluíram primeiro que o resto do corpo

Quando se trata de evolução, a cabeça bate a cauda, de acordo com uma nova pesquisa, que descobriu que as espécies evoluíram as suas cabeças antes de outras mudanças corporais se tornarem evidentes.
As descobertas sugerem que a disponibilidade de alimentos tem sido um principal condutor da evolução animal, começando com a cabeça e depois avançando mais para baixo.
"As espécies evoluíram para explorar novas fontes de alimento antes de mudarem para novos habitats ou desenvolverem novas formas de dar a volta ao problema", diz Lauren Sallán Cole, principal autor do estudo publicado na revista Proceedings of the Royal Society B.
"As cabeças estranhas apareceram primeiro - mandíbulas para esmagar, dentes grandes, mandíbulas longas - mas estão todas ligadas a corpos semelhantes", diz Sallán, que é uma estudante graduada no Departamento de Biologia e Anatomia da Universidade de Chicago.
Ela e o co-autor Matt Friedman, da Universidade de Oxford, começaram a testar modelos que tentam explicar como é que radiações adaptativas ocorrem dentro do reino animal. Por exemplo, após uma grande mudança, tal como um evento de extinção, as espécies sobreviventes diversificaram-se em uma miríade de formas.
Uma teoria popular, o "early burst modelo", sustenta que há um período de acentuada divergência seguido por um longo período de relativa estabilidade. Outro argumenta que as mudanças induzidas pelo habitat no corpo precedem a diversificação dos tipos de cabeça.
Examinando os eventos de extinção
Para ajudar a perceber o que está certo, Sallán e Friedman analisaram duas diferentes radiações adaptativas no registo fóssil. A primeira foi a explosão de peixes com barbatanas, que ocorreu após o que é conhecido como a extinção Hangenberg, um evento que há 360 milhões de anos dizimou a vida nos oceanos.
A segunda foi o acanthomorphs, um grupo de peixes que se diversificou amplamente em torno da época da extinção do final do Cretáceo e que matou várias espécies de dinossauros.
Em ambos os casos, os pesquisadores quantificaram as diferenças em características como a profundidade do corpo, posição da barbatana, e forma da mandíbula entre as espécies. Eles separaram as características da cabeça das características do corpo, de forma a descobrir que mudanças realmente ocorreram em primeiro lugar.
Ambos os conjuntos de análises descobriram que a diversificação nas características da cabeça veio antes da diversificação nos tipos de corpo. Pesquisas anteriores sobre os mamíferos, peixes pulmonados, pássaros e outros animais sugerem que estes também seguiram o mesmo padrão de evolução da cabeça.
"O primeiro trabalho de um animal é a obtenção de energia suficiente para viver, no entanto, um princípio essencial da seleção natural é que não há o suficiente de um qualquer alimento num habitat que suporte de igual forma todos os membros de uma determinada população", diz Sallán. "Portanto, há duas opções para chegar à frente: comer outros alimentos no mesmo lugar, ou afastar-se com a esperança de encontrar um novo habitat com a mesma comida. Em muitos casos, a mudança para um novo alimento é provavelmente mais simples.".
Será que os seres humanos evoluíram da mesma maneira?
São necessárias mais provas para ver se os humanos também se encaixam neste modelo de evolução da cabeça.
Sallán salienta que tem havido algum debate sobre se o andar ereto, que resultou de uma mudança no habitat, aconteceu antes do aumento no tamanho do cérebro humano. A alimentação não foi muito abordada nessa teoria, mas também pode ter sido um fator determinante na evolução da nossa espécie e dos seus ancestrais hominídeos.
Dr. Lucas Harmon, professor assistente de Ciências Biológicas da Universidade de Idaho, está interessado em aprender mais sobre isso recorrendo a evidências fósseis.
"Temos visto este padrão (de cabeça) em dados de uma ampla gama de espécies vivas, por isso é muito interessante vê-lo em dados fósseis do fundo da árvore filogenética dos vertebrados."

Fonte: ABC Science

domingo, 29 de janeiro de 2012

Nascimento maciço de estrelas está associado às maiores galáxias

Um estudo conseguiu detectar uma intensa fase de nascimento de estrelas em vários agrupamentos de galáxias, numa região específica do Universo que fica na constelação da fornalha, no Hemisfério Sul. Os cientistas associaram esta actividade frenética ao futuro aparecimento das maiores galáxias elípticas de hoje, revela um artigo publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.
Graças à câmara LABOCA instalada no telescópio Atacama Pathfinder Experimenter de 12 metros, comandado pelo Observatório Europeu do Sul, no deserto do Atacama, no Chile, mais as medições do Very Large Telescope, também da ESO, e do telescópio espacial da NASA Spitzer, uma equipa da Universidade de Durham, no Reino Unido, obteve imagens deste processo antigo.
As regiões a vermelho mostram agrupamentos de galáxias em efervescente actividade, que produzirem estrelas uma enorme quantidade de estrelas há cerca de 10 mil milhões de anos. Estas galáxias estão a uma distância tão grande que demorou todo este tempo para a luz chegar à Terra.
À volta das galáxias existe uma grande auréola de matéria negra – um tipo de matéria diferente da que é visível, que se pensa conectar todas as galáxias. Os cientistas conseguiram prever o crescimento destas galáxias a partir da quantidade de matéria negra e estimam que hoje são das maiores galáxias elípticas que existem.
“Esta é a primeira vez que fomos capazes de mostrar claramente esta ligação entre as galáxias com uma produção de estrelas muito intensa no Universo jovem, com as galáxias mais massivas de hoje”, disse Ryab Hickox, em comunicado. O cientista que liderou a investigação.
Esta actividade intensa de produção de estrelas a partir da matéria existente nas galáxias, durou somente 100 milhões de anos, um tempo pequeno à escala do Universo em que o número de estrelas duplicou. “Sabemos que as galáxias elípticas massivas pararam de produzir estrelas subitamente há muito tempo, e agora são passivas. Os cientistas estão a tentar perceber o que será suficientemente poderoso para desligar a produção de estrelas de uma galáxia inteira”, disse em comunicado Julie Wardlow, outro membro da equipa.
Os estudos feitos pelos investigadores oferecem uma possível explicação: buracos negros. A conformação desta matéria escura que rodeia estes agrupamentos de galáxia é parecida com a que existe à volta dos quasares – que são fontes intensas de luz e radiação, situados no núcleo das galáxias e que têm no seu centro um buraco negro.
Os cientistas pensam que o mesmo material que alimentou o nascimento de milhões de estrelas estava a alimentar estes buracos negros. “Os dias dourados destas galáxias também provocaram o seu fim ao alimentar o buraco negro gigante no centro de cada uma, que rapidamente explodiu ou destruiu as nuvens de formação estelar”, explicou David Alexander, outro membro da equipa.

Fonte: Público

Células comunicadoras do cérebro são muito mais do que cola

As células da glia, cujo nome deriva da palavra palavra grega para "cola", mantêm os neurónios do cérebro juntos e protegem as células que determinam os nossos pensamentos e comportamentos, mas os cientistas estavam há já muito tempo intrigados com a sua proeminência nas atividades do cérebro dedicadas à aprendizagem e memória. Agora, pesquisadores da Universidade de Tel Aviv afirmam que as células da glia são centrais para a plasticidade do cérebro - como o cérebro se adapta, aprende e armazena informações. De acordo com o estudante de doutoramento Maurizio De Pitta das Escolas da TAU de Física e Astronomia e Engenharia Elétrica, as células da glia fazem muito mais do que manter o cérebro em conjunto. Um mecanismo no interior das células da glia também direciona a informação para fins de aprendizagem, De Pitta diz. "As células da glia são como supervisores do cérebro. Ao regular as sinapses, que controlam a transferência de informações entre os neurónios, afetam a forma como o cérebro processa a informação e aprende."
A pesquisa de Pitta, liderada pelo professora Eshel Ben-Jacob, da TAU, juntamente com Vladislav Volman do Instituto Salk e da Universidade da Califórnia em San Diego e Berry Hugues da Université de Lyon, na França, desenvolveu um modelo de computador que incorpora a influência de células da glia na transferência de informação sináptica. Detalhado na revista PLoS Computational Biology, o modelo também pode ser implementado em tecnologias baseadas em redes cerebrais, como microchips e softwares de computador, afirma o professor Ben-Jacob, e ajuda na pesquisa sobre distúrbios cerebrais, como a doença de Alzheimer e epilepsia.
Regulando a "rede social" do cérebro
O cérebro é constituído por dois tipos principais de células: neurónios e células da glia. Os neurónios enviam sinais que ditam como pensamos e agimos, utilizando sinapses para passar adiante a mensagem de um neurónio para outro, explica De Pitta. Os cientistas especulam que a memória e a aprendizagem são ditadas pela atividade sináptica, porque elas são "plásticas", ou seja, têm a capacidade de se adaptar a diferentes estímulos.
Mas Ben-Jacob e os seus colegas suspeitam de que as células da glia são ainda mais central para o funcionamento do cérebro. As células da glia são abundantes no hipocampo e no córtex cerebral, as duas partes do cérebro que têm mais controlo sobre a capacidade do cérebro para processar informações, aprender e memorizar. Na verdade, para cada neurónio, há 2-5 células da glia. Tendo em conta anteriores dados experimentais, os pesquisadores foram capazes de construir um modelo que pode ajudar a resolver este quebra-cabeças.
O cérebro é como uma rede social, diz o professor Ben-Jacob. As mensagens podem ter origem nos neurônios, as sinapses são usadas como o seu sistema de entrega, mas a glia serve como um moderador geral, que regula o envio das mensagens. Estas células podem solicitar a transferência de informações, ou então uma atividade lenta, se as sinapses se se estiverem a tornar hiperativas. Isso faz com que as células da glia funcionem como os guardiões de nossa aprendizagem e processos de memória, diz ele, orquestrando a transmissão de informações para a função cerebral ideal.
Novas tecnologias e terapias baseadas no funcionamento do cérebro
As conclusões da equipa de investigação podem ter importantes implicações em vários distúrbios cerebrais. Quase todas as doenças neurodegenerativas são patologias relacionadas com a glia, realça o professor Ben-Jacob. Em crises epilépticas, por exemplo, a atividade dos neurônios num local do cérebro propaga-se e sobrepõe-se à atividade normal noutros locais. Isso pode acontecer quando as células da glia não regulam adequadamente a transmissão sináptica. Alternativamente, quando a atividade cerebral é baixa, as células da glia impulsionam as transmissões de informações, mantendo “vivas” as ligações entre os neurónios.
O modelo fornece uma "nova visão" de como o cérebro funciona. Enquanto o estudo estava no processo de publicação, dois trabalhos experimentais foram publicados que apoiaram as previsões do modelo. "Um número crescente de cientistas estão a começar a reconhecer o facto de que você precisa da glia para executar tarefas que os neurónios sozinhos não podem realizar de forma eficiente", diz De Pitta. O modelo irá fornecer uma nova ferramenta para começar a rever as teorias da neurociência computacional e levar uma inspiração mais realista do cérebro para algoritmos e microchips, que são projetados para imitar redes neuronais.

Fonte: E! Science News

sábado, 28 de janeiro de 2012

Cientista portuguesa descobre molécula para atacar cancro

Um estudo coordenado por uma investigadora da Universidade do Minho (UM) descobriu uma molécula que "abre novas perspetivas" no tratamento de doenças neurodegenerativas como Parkinson, Alzheimer, hipertensão hereditária e cancro.
"Descobrimos uma molécula chave que está envolvida no processo de destruição de proteínas pelas células", explica Sandra Paiva, da Escola de Ciências da UM. A descoberta é importante porque se se conseguir manipular esta molécula será possível, por exemplo, cortar o acesso das células de cancro aos nutrientes que precisam para sobreviver, "tornando-as mais sensíveis à quimioterapia".

Fonte: Diário de Notícias

Já conhece o sapo cowboy, o besouro cornudo ou o peixe-gato com espinhos?

Uma expedição científica ao Suriname embrenhou-se numa das últimas florestas tropicais virgens do planeta e identificou 1300 espécies, das quais 46 ainda não constavam da lista da biodiversidade mundial.
Durante três semanas, de Agosto a Setembro de 2010, os investigadores exploraram três locais ao longo dos rios Kutari e Supaliwini, perto da localidade de Kwamalasumutu, uma zona remota no Sul do país e identificaram 1300 espécies, incluindo 46 que a Ciência não conhecia. Os resultados da expedição científica revelados nesta quinta-feira pela organização Conservation International – que celebra os seus 25 anos este mês – incluem oito peixes de água doce, um sapo arbóreo (que passa a maior parte da sua vida em árvores) e dezenas de novos insectos.
Um peixe-gato (Pseudacanthicus sp.), coberto de espinhos para se proteger das piranhas, estava prestes a ser comido como um snack por um dos guias locais quando os cientistas repararam que esta era uma espécie ainda desconhecida e o preservaram como um espécime.
Ainda nesta floresta muito pouco estudada, os investigadores encontraram o sapo cowboy (Hypsiboas sp.), que parece ter esporas nas patas, durante uma saída de campo nocturna no rio Koetari.
“A nossa equipa teve o privilégio de explorar uma das últimas áreas de natureza selvagem virgens do mundo”, disse Trond Larsen, cientista e director do programa RAP (Rapid Assessment Program) da Conservation International, com sede em Washington. Desde 1990 que este programa faz expedições de curta duração para conhecer a biodiversidade de uma área e conseguir dados que irão basear as políticas de conservação.

Voltaram a encontrar o besouro cornudo e o sapo Pac-Man
Além das 46 novas espécies, a expedição identificou 1300 já documentadas, incluindo o sapo Pac-Man (Ceratophrys cornuta), predador voraz que consegue comer presas quase do seu tamanho, incluindo aves, ratos e outros anfíbios. Na verdade, “um cientista que estudava aves com a ajuda de coleiras radiotransmissoras encontrou uma ave e respectivo dispositivo no estômago do sapo”, segundo a Conservation International.
O grande besouro cornudo (Coprophanaeus lancifer) tem o tamanho de uma tangerina e pesa mais de seis gramas. Este animal, de cor metálica e púrpura, tem um corno na cabeça que usa como arma contra outros besouros.
“Como cientista, é emocionante estudar estas florestas remotas onde nos esperam incontáveis descobertas, especialmente se acreditarmos que proteger estas paisagens é, talvez, a melhor oportunidade para manter os ecossistemas dos quais dependem os povos, nesta e em gerações futuras”, acrescentou.
Uma equipa do programa RAP vai voltar ao Suriname em Março para continuar os trabalhos de exploração científica.
Actualmente, há 1,9 milhões de espécies descritas pela ciência - ainda que o número real da biodiversidade do planeta seja muito maior -, com a descoberta, em média, de 50 novas espécies de animais, plantas e outros seres vivos todos os dias, segundo uma contabilidade feita pelo Instituto Internacional para a Exploração de Espécies, da Universidade do Arizona, revelada a 19 de Janeiro. Em dez anos (2000-2009), foram descritas 176.311 espécies novas para a ciência. Metade (88.598) eram insectos. A seguir vêm as plantas (13% ou 23.604 espécies) e aracnídeos (7% ou 12.751 espécies), como aranhas e escorpiões.

Fonte: Público

Como as palavras cruzadas confundem a nossa mente

A agonia e o êxtase de resolver um enigma de palavras cruzadas pode fornecer uma quantidade surpreendente de informação sobre a mente subconsciente. Fazer palavras cruzadas pode confundir a ponta da sua língua. Você sabe que sabe as respostas para a 3 vertical e a 5 horizontal, mas as palavras simplesmente não saem. Então, quando você desistiu e mudou para outra palavra, vem o alívio abençoado. A resposta evasiva ocorre de repente.
Os processos que levam a esse lampejo de perspicácia podem iluminar muitas das características curiosas da mente humana. As palavras cruzadas podem refletir a natureza da intuição, fornecer pistas sobre a nossa forma de recuperar as palavras da nossa memória, e revelar uma ligação surpreendente entre os quebra-cabeças e a nossa capacidade de reconhecer um rosto humano.
"O que é fascinante sobre as palavras cruzadas é que elas envolvem muitos aspetos da cognição que normalmente são estudados parcelarmente, como a procura da memória e a resolução de problemas, todos juntos ao mesmo tempo", diz Raymond Nickerson, um psicólogo da Universidade Tufts, em Medford, Massachusetts. Num artigo publicado recentemente, ele juntou profissão e hobby, analisando os processos mentais de resolução de palavras cruzadas.
A maioria das nossas ideias ocorre pré-conscientemente, com os resultados a surgir nas nossas mentes conscientes só depois de terem sido decididas noutras partes do cérebro. A intuição desempenha um papel importante na resolução de palavras cruzadas, observa Nickerson. De facto, às vezes, a mente pré-consciente pode ser tão rápida que produz o resultado imediatamente.
Noutras ocasiões, talvez seja necessário adotar uma abordagem mais metódica e considerar possíveis soluções, uma por uma, talvez listando sinónimos de uma palavra na pista. Mesmo que a sua lista não pareça fazer muito sentido, pode refletir a forma como a sua mente pré-consciente está a trabalhar para encontrar a solução. Nickerson destaca trabalhos da década de 1990, efetuados por Peter Farvolden, da Universidade de Toronto, no Canadá, que deu aos participantes fragmentos de quatro letras de palavras com sete letras (como pode acontecer em alguns layouts de palavras cruzadas, onde várias palavras se sobrepõem). Enquanto os voluntários tentaram descobrir a palavra final, eles foram convidados a revelar qualquer outra palavra que lhes ocorresse nesse tempo. As palavras tenderam a ser associadas em significado à resposta final, dando a entender que a mente pré-consciente resolve um problema por etapas.
Se o seu poder de dedução falhar, ele pode ajudar a deixar a sua mente a “mastigar” a pista, enquanto a sua atenção consciente está noutro lugar. De facto, de acordo com a nossa experiência quotidiana, um período de incubação pode originar o tal momento "aha". Afinal não desligamos totalmente. Para problemas verbais, uma rutura com a ideia parece ser mais proveitosa se você se ocupar com outra tarefa, como desenhar uma imagem ou ler algo.
Então, se o 1 horizontal o está a desconcentrar, você pode deixá-lo e tomar um bom banho, ou melhor ainda, ler um romance. Ou apenas passar para a próxima pista.
O processamento pré-consciente está escondido de nós, por isso não está claro como a mente procura através do nosso léxico mental para responder a uma pista. Como a linguagem escrita é apenas um reflexo recente das palavras faladas, Nickerson suspeita que os sons são importantes. Ele ilustra isso com um quebra-cabeça simples: rapidamente pensar em palavras de quatro letras que terminam em -any, -iny, -ony, -uny e -eny. Quando você tiver feito isso, continue a ler.
Você provavelmente teve pouca dificuldade com os quatro primeiros, mas pode ter lutado com o último. Nickerson acredita que é porque a única palavra comum que terminam em -eny tem um padrão diferente de stress da maneira natural de leitura do fragmento de três letras. A investigação suporta esta ideia, mostrando que uma sílaba de três letras forma uma pista mais eficaz do que outras três letras consecutivas. Então, o nosso dicionário mental não é apenas alfabético, mas também fonológico. Nesse caso, pode ajudar se disser a pista ou os seus palpites em voz alta.
Ao resolver estes enigmas, você pode ter inicialmente um forte sentimento sobre se sabe ou não a resposta - e essas ideias podem estar corretas. Quando confrontados com uma mistura de testes de associação de palavras solucionáveis e não solucionáveis, os indivíduos tendem a adivinhar corretamente quais deles vão conseguir resolver, e quais é que não vão. Em palavras cruzadas, diz Nickerson, este "sentimento de saber" pode ser útil. Se você tem certeza que sabe a resposta, você gasta mais tempo a tentar obtê-la, se tiver certeza de que você não sabe, segue em frente e tenta descobrir outras palavras.
Os psicólogos fazem uma distinção ténue entre esse sentimento de saber e o de sentir que algo está "na ponta da língua". O último, que é um estado mais irritante, é a sensação de que uma resposta virá em breve, ao invés de que ele virá eventualmente. Muitas vezes isso é falso, à medida que o “fantasma da revelação” desaparece à distância. Uma teoria é que uma palavra errada recuperada da memória bloqueia o caminho para a palavra certa - um estado que Nickerson reconhece existir durante a resolução de palavras cruzadas, quando um palpite errado torna mais difícil encontrar a verdadeira solução.
Tenha cuidado com os quebra-cabeças mais difíceis - palavras cruzadas enigmáticas podem deformar a mente de forma surpreendente. Michael Lewis, da Universidade de Cardiff, no Reino Unido chegou a essa conclusão ao investigar por que é que os resultados dos line-ups da polícia são tão confiáveis. Ele estava a acompanhar uma pesquisa que mostrava que o reconhecimento facial pode tornar-se temporariamente perturbado depois de uma tarefa conhecida como o estímulo Navon local. Ao indivíduo é apresentada uma grande letra feita a partir de repetições de pequenas letras, e é solicitado ao indivíduo que leia as letras menores, ignorando a maior. Este teste aparentemente inócuo torna-os piores em testes de reconhecimento de face.
Ninguém é aconselhado a executar esta tarefa obscura, antes de ser chamados a identificar alguém num line-up. Então, Lewis decidiu olhar para as atividades de salas de espera mais comuns: os puzzles sudoku, ler um livro, palavras cruzadas literais e palavras cruzadas enigmáticas. Lewis pensava que o quebra-cabeças sudoku teria o maior efeito; as palavras cruzadas estavam apenas como controlo. Mas os indivíduos que fizeram as três primeiras atividades alcançaram todos aproximadamente os mesmos resultados em testes de reconhecimento de face, enquanto aqueles fizeram palavras cruzadas enigmáticas revelaram um desempenho muito pior.
Lewis especula que alguma forma de supressão pode desempenhar um papel neste processo. Na tarefa Navon você deve suprimir a imagem global, e em palavras cruzadas enigmáticas deve-se suprimir as unidades linguísticas maiores e fragmentar frases para procurar as palavras escondidas e definições. Como efeito colateral, isto parece suprimir a nossa capacidade de ver um rosto como uma unidade inteira. O fenómeno vai além das esferas visual e verbal - estímulos Navon também afetam a capacidade de degustação de vinhos, diz Lewis. "Isso sugere que há alguma sobreposição de processamento entre todas estas tarefas."
As palavras cruzadas envolvem naturalmente ligações entre ideias e palavras, e Nickerson sugere que os psicólogos podem utilizar mais estes enigmas quando se estudam os processos de cognição. A mente humana é apenas um quebra-cabeças diabólico, por isso talvez não seja surpreendente que as palavras cruzadas possam lançar alguma luz sobre o seu funcionamento. Mesmo que a luz acabe por ser oblíqua, indireta, elíptica...

Fonte: New Scientist

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Chimpanzés selvagens avisam-se uns aos outros sobre o perigo

Para partilhar novas informações com os outros através da comunicação representa uma etapa crucial na evolução da linguagem. Este estudo sugere que esta capacidade já estava presente quando o nosso ancestral comum se separou do dos chimpanzés há 6000 mil anos atrás.
A capacidade de reconhecer o conhecimento e crenças de outras pessoas pode ser única para a humanidade. Testes sobre uma "teoria da mente" em animais têm sido conduzidos principalmente em cativeiro e produziram resultados contraditórios: Alguns primatas não-humanos podem ler as intenções dos outros e saber o que os outros veem, mas eles não podem compreender que, nos outros, a perceção pode levar ao conhecimento. Quando há resultados negativos, no entanto, a questão que permanece é se os chimpanzés realmente não podem fazer a tarefa ou se eles simplesmente não entendem isso. "A vantagem de abordar essas questões em chimpanzés selvagens é que eles estão simplesmente fazendo o que sempre fazem num ambiente ecologicamente relevante", diz Catherine Crockford, uma investigadora da Universidade de St. Andrews.
Catherine Crockford, Roman Wittig e colegas criaram um estudo com chimpanzés selvagens na floresta Budongo, no Uganda. Eles confrontaram-nos com modelos de cobras venenosas perigosas, duas víboras do Gabão e uma víbora rinoceronte. "Como essas cobras altamente camufladas permanencem num lugar durante semanas, é importante para o chimpanzé, que as descobre, informar outros membros da comunidade sobre o perigo", diz Crockford.
Os pesquisadores monitorizaram o comportamento de 33 chimpanzés diferentes, que viram um dos três modelos de cobra e descobriram que as chamadas de alarme foram produzidas mais quando o interlocutor estava com membros do grupo que não tinham nem visto a cobra ou não tinham estado presentes quando as chamadas de alarme foram emitidas. "Os chimpanzés parecem realmente ter em consideração o estado de conhecimento do outro e voluntariamente produzem um sinal de alerta para informar os outros do perigo que eles [os outros] não sabem", diz Roman Wittig do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária e da Universidade de St. Andrews. "Em contraste, os chimpanzés eram menos propensos a informar os membros da audiência que já sabiam do perigo."
Este estudo mostra que estes não são apenas sinais de alerta produzidos intencionalmente, mas que eles são produzidos mais quando o público é ignorante acerca do perigo. "É como se os chimpanzés entendessem que eles sabem algo que os restantes não sabem e eles entendem que, produzindo uma vocalização específica podem fornecer aos outros essa informação", conclui Wittig. Alguns cientistas sugerem que o fornecimento de informações desconhecidas a outros membros do grupo por meio de comunicação é uma etapa crucial na evolução da linguagem: porquê informar os membros da comunidade se não percebessem que precisam da informação? Até agora não ficou claro em que ponto nos hominídeos, ou na evolução dos hominídeos, esta capacidade evoluiu. Tem sido assumido que é mais provável que seja durante a evolução dos hominídeos. Este estudo sugere, no entanto, que já estava presente quando o nosso ancestral comum aos chimpanzés se separou há 6000 mil anos atrás.

Fonte: Science Daily

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Viagra faz bem ao coração

Enquanto o Viagra deixa os tecidos dos corpos cavernosos mais duros (o pénis, por exemplo), cientistas da Universidade Ruhr, na Alemanha, descobriram que ele também pode salvar vidas, ao gerar o efeito oposto: o Viagra deixa alguns músculos cardíacos menos rígidos. O professor Wolfgang Line e a sua equipa descobriram que o Viagra ativa uma enzima que relaxa as proteínas nas células dos músculos cardíacos. Ironicamente, antes de se tornar um medicamento para promover ereções, o propósito original da pílula azul era tratar pressão alta e outras doenças cardíacas. Ela falhou esse objetivo, mas os efeitos colaterais provaram ser convenientes para milhões de órgãos genitais do mundo inteiro.
O novo benefício pode ajudar pacientes com os ventrículos do coração altamente inflexíveis, o que faz com que o órgão não seja preenchido com sangue suficiente. Aparentemente, o remédio ajuda essa condição automaticamente, até mais rápido do que a condição “lá embaixo”.

Fonte: HypeScience

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Tablets aumentam risco de torcicolo e dores musculares


O uso de tablets pode aumentar o risco de torcicolos e dores musculares provocados por uma má postura, segundo um estudo, que desaconselha que se usem estes aparelhos pousados nos joelhos.
O uso de tablets digitais suscita "inquietações reais sobre o crescimento de dores de pescoço e costas", considera Jack Dennerlein, cirurgião ortopédico e especialista em saúde que dirigiu um publicado em Harvard, EUA. "A sua utilização está associada a posturas de flexão da cabeça e pescoço por comparação com os computadores de mesa clássicos", adiantou o médico, à frente desta investigação.
A postura dos utilizadores de tablets poderia ser melhorada usando suportes integrados ou em cima de uma mesa, evitando um ângulo de visão demasiado baixo, avança o estudo, publicado agora pela revista internacional "Work: A Journal of Prevention, Assessment and Rehabilitation", citado pela AFP.

Fonte: Diário de Notícias

Alcoól com cafeína?

por Jason G. Goldman
 
A cafeína não parece afetar a maneira como o álcool é absorvido pelo corpo. Além disso, muitas drogas, incluindo o álcool, são conhecidas por serem mais potentes se consumidas num ambiente incomum. Num trabalho publicado em 1976, na Science, Siegel chamou a isso de “especifidade situacional de tolerância”. Esse efeito estaria relacionado com o clássico condicionamento pavloniano. O corpo de um bebedor social aprende a preparar-se para o álcool em resposta ao ambiente, até mesmo antes de o álcool ser ingerido. O argumento de Siegel é que as pessoas ficavam especialmente bêbadas depois de beber Four Loko devido à maneira inesperada em que a bebida era apresentada: o sabor dela não se parece com álcool.
Shepard Siegel, psicólogo da McMaster University, em Ontário, que recentemente escreveu um artigo para a revista Perspectives on Psychological Science, defende que a culpa não é da substância “cafeina”, mas da nova experiência e do contexto em que ela é introduzida. Essa desconexão pode explicar a potência peculiar de Four Loko, uma bebida alcoólica com cafeína e sabor de fruta inventada por três estudantes da Ohio State University em 2005. Depois de uma série de hospitalizações, em 2010, a Food and Drug Administration declarou que era ilegal adicionar cafeína a bebidas alcoólicas.
Se Siegel estiver correto, a versão descafeinada que o fabricante de Four Loko produz agora poderia ser um problema. Ele anunciou uma nova bebida que vem com “um novo perfil de sabor a cada quatro meses”. Isso não soluciona o problema. Quando alguém se torna tolerante aos efeitos do álcool, independente do sabor, a sua tolerância seria eliminada quando outro é experimentado. Intencionalmente ou não, a Four Loko aproveita-se da especificidade situacional da tolerância, criando novos impactos.

Fonte: Scientific American

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Análise em rede prevê efeitos laterais dos medicamentos

Numa nova abordagem matemática, os cientistas previram efeitos secundários de medicamentos que normalmente não são descobertos até que milhares de pessoas tomem esse medicamento. A técnica é especialmente boa a prever os efeitos laterais que aparecem depois de dias ou meses de toma de um medicamento, sugerindo que uma abordagem semelhante poderia ajudar a tornar os fármacos mais seguros antes mesmo de chegarem ao mercado e poderia até mesmo salvar vidas.
Os investigadores começaram com um catálogo de 2005 dos medicamentos existentes e dos seus efeitos secundários conhecidos, tais como ataques cardíacos ou problemas de sono. Após relacionarem as drogas e os seus efeitos laterais numa rede, instruíram um computador para prever novas ligações prováveis entre drogas e efeitos colaterais. O programa foi capaz de prever 42% dos efeitos secundários de drogas que foram mais tarde encontrados em pacientes, relatam os pesquisadores na revista Science Translational Medicine.
"Os efeitos adversos dos medicamentos são muito importantes e pouco estudados", diz Russ Altman, especialista em informática biomédica na Universidade de Stanford que não esteve envolvido com o trabalho. Antes de um medicamento começar a ser comercializado é submetido a testes toxicológicos e ensaios clínicos para provar que é eficaz mas não é perigoso. Estes ensaios são frequentemente extensos o suficiente para provar que a droga funciona, mas não são grandes o suficiente para dizer algo significativo sobre os efeitos laterais, diz Altman. Assim, muitos efeitos laterais só são descobertos depois de a droga estar no mercado.
"Você rotineiramente encontrar um monte de chato e os de vez em quando há um showstopper", diz Altman. Tais interações levar a lesões e 770.000 mortes a cada ano.
Para levantar alguma da névoa em torno dos efeitos laterais, os cientistas da Harvard Medical School e do Hospital Infantil de Boston criaram uma rede que liga 809852 medicamentos a efeitos laterais que foram conhecidos a partir de 2005. A equipa também adicionou informações à sua rede acerca das propriedades químicas, tais como o ponto de fusão e peso molecular da droga, e onde a droga exerce os efeitos no organismo. Usando apenas esses dados e as relações estabelecidas, o computador previu efeitos laterais que foram relatados nos últimos anos, tal como a droga Zonisamida causar pensamentos suicidas em algumas pessoas, e associou o antibiótico norfloxacina ao rompimento de tendões. Ele também ligou a controversa droga Avandia (rosiglitazona) a ataques cardíacos, uma ligação que é suportada por algumas pesquisas.
A equipa tentou obter informações adicionais sobre as drogas, tais como dados que descrevem a estrutura molecular. Mas o diagrama de rede das relações conhecidas entre as drogas e os efeitos laterais sozinho tinha mais poder preditivo e menos falsos positivos do que os métodos que consideraram a informação adicional.
"Fomos agradavelmente surpreendidos", diz o membro da equipa Ben Reis, que dirige o grupo de medicina preditiva do Hospital Infantil de Boston. "A rede codifica um monte de informações de outros mundos. Talvez por isso ela o fez tão bem. "
Havia alguns efeitos laterais para os quais o modelo foi menos bem sucedido, tais como problemas de pele, destaca o matemático Aurel Cami, da Harvard Medical School e do Hospital Infantil de Boston.
Esta primeira rodada estabeleceu que a matemática de rede, normalmente usada para avaliar as relações sociais, ou como uma doença se espalha, pode descobrir reações importantes. Agora Reis e Cami estão a investigar que tipo de dados funciona melhor e estão a tentar lidar com as interações medicamentosas que também podem ser perigoso e raramente são estudadas em ensaios clínicos.
"Estamos a passar de um paradigma de deteção - que leva pessoas doentes a saber que algo está errado – para a previsão", diz Reis.

Fonte: Science News

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Macaco que se pensava extinto foi redescoberto no Bornéu

Era tão raro que se acreditava extinto. Mas em Junho, uma equipa de investigadores embrenhou-se na floresta tropical do Bornéu, Indonésia, e reencontrou o langur-cinzento, um primata que só se conhecia dos museus.
Brent Loken, da Universidade Simon Fraser, no Canadá, esperava captar imagens da rara pantera-nebulosa-de-bornéu (Neofelis diardi) quando montou uma câmara de disparo automático, que reage ao movimento, na floresta tropical na região de Kalimantan Oriental, no Leste da ilha de Bornéu e a segunda maior província da Indonésia. Mas em vez da pantera, fez a redescoberta de uma vida.
Ao reverem as fotografias captadas em Junho de 2011 pela câmara, montada na floresta Wehea, com 38 mil hectares, Loken e os seus colegas ficaram surpreendidos ao se depararem com uma espécie de macaco que não reconheceram, conta a universidade em comunicado.
As imagens mostraram o langur-cinzento (Presbytis hosei canicrus), um dos primatas mais raros e desconhecidos do Bornéu, que muitos acreditavam estar extinto.
“Foi difícil confirmar a nossa descoberta, tendo em conta que existem poucas deste macaco disponíveis para estudo”, disse Loken. “A única descrição deste langur está nos espécimes dos museus. As nossas fotografias em Wehea são das únicas que existem deste macaco.”
O trabalho de Loken, que passa seis meses por ano no Bornéu, e da sua equipa será publicado na edição de Março da revista American Journal of Primatology. As câmaras colocadas por Loken fazem parte de um estudo sobre a biodiversidade, desenvolvido em parceria com a comunidade local Wehea Dayak para investigar a diversidade e abundância de animais que vivem nesta região remota da floresta.
Actualmente, estima-se que a ilha do Bornéu tenha perdido 65% da sua floresta tropical, devido às plantações para produção de óleo de palma e à exploração em minas de carvão. “A rápida degradação das florestas do Bornéu torna difícil conhecer e adoptar, em tempo útil, estratégias de conservação para proteger as espécies”, acrescentou Loken.
Apesar de ter sido considerado por alguns investigadores como praticamente extinto, a UICN (União Mundial de Conservação) classifica esta espécie como "em perigo" de extinção - o segundo nível mais grave de ameaça - por causa do “declínio continuado da população”, situação que se deve “à perda de vastas áreas de habitat, fragmentação desse habitat e caça”.

Fonte: Público

As crianças não se ouvem quando falam

As crianças podem tagarelar consigo próprias durante horas, mas não são capazes de contar com estes sons para desenvolver as suas competências linguísticas.
Um novo estudo publicado na revista Current Biology descobriu que crianças pequenas não ouvem a sua própria voz, da mesma forma que as crianças mais velhas e adultos o fazem.
"Os adultos subconscientemente ouvem vogais e sons consonantais no seu discurso para garantir que estão a produzi-los corretamente", diz o principal autor do estudo, Ewen MacDonald, da Universidade Técnica da Dinamarca.
"Se a acústica do nosso discurso for um pouco diferente do que pretendemos, então ... vamos ajustar a nossa forma de falar para corrigir esses erros leves", diz MacDonald.
Mas ao contrário de adultos e crianças mais velhas, as crianças de dois anos de idade não monitorizam o som da própria voz para corrigir os erros, constatou o estudo.
Isto apesar do fato de que as crianças podem facilmente detectar pequenos desvios de pronúncia dos outros em palavras familiares, balbuciam de uma forma que é consistente com a sua língua nativa, e progridem bem no seu caminho para a aquisição de vocabulário e estruturas de som.

Bad, bed, bid
MacDonald e colegas compararam as habilidades de linguagem dos adultos, de crianças com quatro anos de idade e de crianças com dois anos de idade. Cada grupo foi convidado a dizer cinquenta vezes a palavra 'cama' (bed). Para obter esta palavra das crianças, os pesquisadores usaram um jogo virtual onde as crianças tinham que ajudar um robô a cruzar uma área de diversão dizendo a palavra 'cama'.
Depois de os participantes se ouviram dizer 'cama' vinte vezes, os investigadores alteraram o feedback auditivo para que eles se ouvissem a dizer 'mau' (bad) em vez de 'cama' (bed).
"Se eles repetirem isso várias vezes, os adultos espontaneamente compensam-no, mudando a maneira como eles dizem a vogal", diz MacDonald. "Em vez de dizer 'cama' a palavra que eles dizem é algo parecido com a palavra 'licitação' (bid)."
A pesquisa revelou que as crinaças com quatro anos de idade também ajustaram o seu discurso, mas as de dois anos de idade continuaram a dizer 'cama'.
Então, se as crianças não monitorizam automaticamente a precisão do seu discurso, como é que os adultos e as crianças mais velhas o fazem; Como é que eles aprendem a produzir os sons utilizados na sua comunidade linguística?
MacDonald diz que os resultados sugerem que aos dois anos de idade pode-se depender dos pais ou de outras pessoas para monitorizar o discurso em vez de confiar na sua própria voz.
"Os educadores repetem muitas vezes as coisas que ouvem das crianças", observa ele.
Percepção da fala
Embora tenha havido muitos estudos no passado que têm olhado para a capacidade de uma criança se ouvir, este estudo oferece uma nova visão sobre como as crianças percebem o seu discurso, afirma a patologista da fala, a professora Sharynne McLeod, da Charles Sturt University em Bathurst.
"Este estudo fornece pistas interessantes sobre a capacidade da criança para perceber [o seu discurso], porque as de quatro anos de idade mostravam já padrões claros nesse sentido, mas as de dois anos de idade não ", disse McLeod, que não esteve envolvida na pesquisa.
Mas McLeod diz que a diferença nos padrões de fala não deve ser ligada apenas à capacidade que as crianças de dois anos têm de perceber a sua própria fala.
"Pode haver uma série de razões para as quais as crianças estão a ter dificuldade, por exemplo, as suas habilidades motoras e a sua capacidade de falar ainda estão em desenvolvimento nessa fase", diz ela.
Ela também observa que os sons das vogais 'a' e 'e' testados no estudo são muito semelhantes e mudam com os dialetos.
"Eu acho que são necessários mais estudos para generalizar [os resultados], mas uma das mensagens que se deve extrair é que há muitas pesquisas que mostram que quando as crianças dizem uma palavra é bom repetir a palavra de volta para eles, numa frase, e ajudar assim a expandir o seu desenvolvimento de linguagem."
Ela diz que o estudo também destaca a importância da intervenção precoce por fonoaudiólogos e avaliações auditiva neonatal.
"As crianças ainda estão a desenvolver-se entre os dois e os quatro anos por isso, se podemos identificar marcadores enquanto ainda são muito jovens, podemos facilitar o seu desenvolvimento, porque essa perceção é crucial em crianças, e em todas as pessoas em geral, para desenvolver a capacidade de falar."

Fonte: ABC Science

domingo, 22 de janeiro de 2012

Solução para melhores resultados na escola: Leitura, escrita aritmética, ... e o caráter?

Um estudo de 20 escolas primárias no Havaí constatou que um programa voltado para a construção de habilidades sociais, emocionais e de caráter resultaram numa significativa melhoria da qualidade global da educação, avaliada por professores, pais e alunos. O conceito inclui actividades organizadas para construir o caráter que vão além das regras mais tradicionais ou políticas para controlar ou punir problemas de comportamento. Mas ele ainda é aplicado apenas cerca de uma hora por semana, em adição à educação tradicional, e pesquisas anteriores já documentadas revelam números muito mais baixos de suspensões, menor absentismo, e uma melhor pontuação em testes padronizados de leitura e matemática.
O mais recente estudo, publicado por pesquisadores da Oregon State University no Journal of School Health, descobriu pela primeira vez que os professores acreditavam que essa abordagem melhorou a "qualidade global da escola" em cerca de 21 por cento, com pais e alunos concordando um número um pouco menor. O estudo foi realizado tendo por base resultados de escolas racialmente e etnicamente diversas, metade usando o novo programa e a outra metade não.
"A melhoria de habilidades sociais e de caráter deixam mais tempo para que os professores ensinem e os alunos aprendem a estar mais motivados", disse Brian Flay, um professor de OSU na Escola de Ciências da Saúde Sociais e do Comportamento. "O que estamos a descobrir agora é que realmente podemos resolver algumas das preocupações das nossas escolas, concentrando-nos mais no caráter dentro da sala de aula.
"Esses não são conceitos novos, eles são o tipo de coisas que sempre foram discutidas nas famílias, igreja e grupos sociais", disse Flay. "Uma aula na terceira classe, por exemplo, pode ajudar as crianças a entender como é que as outras pessoas sentem, para aprender sobre empatia. Isso pode parecer simples, mas em termos de desempenho educacional é importante."
A qualidade da escola, conforme definido nesta pesquisa, inclui um ambiente seguro, envolvimento e satisfação entre os indivíduos, apoio ao estudante, melhoria contínua, baseado em padrões de aprendizagem, e outros recursos.
Políticas anteriores que visavam reduzir o abuso de substâncias, comportamentos violentos e outros problemas têm mostrado apenas resultados limitados, disseram os pesquisadores no estudo, em parte porque eles não abordam questões subjacentes, tais como a sensibilidade do aluno a ele próprio e à sociedade. A nova tendência a ser explorada é o que chamam de desenvolvimento socio-emocional do caráter.
O programa utilizado nesta pesquisa inclui currículos K-12 em sala de aula, uma componente de desenvolvimento do clima de toda a escola, formação de professores e funcionários, envolvimento dos pais e da comunidade, reforço positivo contínuo e outras técnicas.
As aulas incluem temas relacionados com o auto-conceito, ações físicas e intelectuais, desenvolver a responsabilidade por si próprio, conviver com os outros, ser honesto, e auto-aperfeiçoamento.
Os resultados têm sido impressionantes. Resultados previamente publicados mostraram menos 72 por cento de suspensões, menos 15 por cento de absentismo, e muito melhores capacidades de leitura e matemática com base em testes estaduais. Os exames nacionais mostraram uma melhoria de 9 por cento nestes assuntos académicos.
"A pesquisa atual suporta a hipótese de que estes programas podem gerar mudanças em toda a escola, melhorando a segurança e qualidade da mesma", escreveram os pesquisadores no seu artigo. "O estudo mostra que as melhorias na qualidade da escola foram feitas principalmente por escolas com um desempenho relativamente baixo."
As descobertas sugerem que as escolas, bairros, estados e o governo federal deve considerar as políticas e os recursos dirigidos para programas sociais e de desenvolvimento de caráter deste tipo, disseram os pesquisadores.

Fonte: E! Science News

sábado, 21 de janeiro de 2012

Mortes por mordidas de cobra na Índia são 23 vezes mais do que se pensava

Quando uma cobra morde, uma visita ao encantador de serpentes não é o que o médico recomenda. Mas de acordo com a pesquisa apresentada na reunião anual da Sociedade Americana de Medicina Tropical e Higiene na Filadélfia, Pensilvânia, é isso que as pessoas têm feito - e estão a morrer por causa disso.
Um estudo em Bangladesh mostrou que apenas 3% dos pacientes tratados para uma picada de cobra foi diretamente ao médico, a maioria optou por visitar um encantador de serpentes cujos métodos de cura incluem recitar mantras.
Também na reunião, David Warrell da Universidade de Oxford destacou a incompatibilidade entre o número real de mortes e os registos oficiais. Warrell e os seus colegas descobriram que 46 mil pessoas morrem por causa de mordidas de cobra a cada ano na Índia, onde o número oficial é de 2000.
O seu estudo é o primeiro a estimar a prevalência de mordida de cobra com base em entrevistas com comunidades afetadas, em vez da taxa de visitas ao hospital. Ásia, África subsaariana e América Latina são as regiões mais afectadas. A maioria das vítimas vive em áreas rurais, e são, muitas vezes, muito pobres. Este afastamento significa mesmo os médicos nas principais cidades dessas regiões não vêem a questão como uma ameaça imediata à saúde pública.
A Organização Mundial de Saúde classificou a mordida de cobra como uma doença tropical negligenciada. "No século 21, a mordida de cobra é a mais negligenciada de todas as doenças tropicais negligenciadas", afirma Warrell.

Fonte: New Scientist

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Pipocas com seis mil anos


Investigadores peruanos e norte-americanos descobriram os restos fósseis de milho mais antigos da América do Sul.

Não tinham, com certeza, salas de cinema, mas as populações que há seis mil anos habitavam as regiões da costa norte do Peru já comiam pipocas.Num artigo publicado na revista Proceedings of the National Acadeny of Sciences, a equipa de Tom Dillehay, da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, e do peruano Duccio Bonavie, descreve os restos fossilizados de milho, cuja análise permitiu verificar como eles eram manipulados para integrarem a alimentação das populações.

Fonte: Diário de Notícias

Neutrinos mais rápidos do que a luz colocam em causa a teoria da relatividade?

Quem respondeu à chamada foi Ramanath Cowsik, PhD, professor de física em Artes e Ciências e diretor do Centro McDonnell para Ciências Espaciais da Universidade de Washington em St. Louis.
NA revista Physical Review Letters, Cowsik e seus colaboradores colocam o dedo sobre o que parece ser um problema insuperável com experiências.
A experiência OPERA, uma colaboração entre o laboratório de física do CERN, em Genebra, Suíça, e os Laboratórios Nazionali del Gran Sasso (LNGS) em Gran Sasso, na Itália, cronometraram partículas chamadas neutrinos viajando pela Terra a partir do laboratório de física CERN até um detetor num laboratório subterrâneo de Gran Sasso, a uma distância de cerca de 730 km (cerca de 450 milhas).
Foi publicado na revista Physics Letters B que os neutrinos chegaram ao Gran Sasso cerca de 60 nanossegundos mais cedo do que teriam chegado se eles estivessem a viajar à velocidade da luz no vácuo.
Pensa-se que os neutrinos possuem uma pequena, mas não nula, massa. Segundo a teoria da relatividade especial, qualquer partícula que tem massa pode chegar perto, mas não consegue atingir a velocidade da luz. Portanto, neutrinos superluminais (mais rápidos do que a luz) não deveriam existir.
Os neutrinos na experiência foram criados por protões em alta velocidade a colidir com um alvo estacionário, produzindo um feixe de pions - partículas instáveis que foram magneticamente focadas num longo túnel onde se deterioraram durante o percurso em muons e neutrinos.
Os muons foram parados no fim do túnel, mas os neutrinos, que deslizam através da matéria como fantasmas através de paredes, atravessaram a barreira e desapareceram na direção de Gran Sasso.
No seu artigo, Cowsik e uma equipa internacional de colaboradores teve um olhar mais atento sobre a primeira etapa deste processo. "Temos investigado se o decaimento de um pion produziria neutrinos superluminais, assumindo que a energia e o momento são conservados", diz ele.
Os neutrinos de OPERA tinham energias de cerca de 17 gigaelectron volts. "Eles tinham uma enorme energia, mas muito pouca massa", diz Cowsik ", então eles devem deslocar-se muito rápido." A questão é se eles foram mais rápidos que a velocidade da luz.
"Nós mostramos neste artigo que, se o neutrino que sai de um decaimento de um pion estava a deslocar-se mais rápido do que a velocidade da luz, a vida do pion iria aumentar, e o neutrino levaria uma menor fração da energia partilhada pelo neutrino e o muon ", Cowsik diz. "Mais ainda", diz ele, "essas dificuldades só aumentarão à medida que aumenta a energia do pion.
"Então, estamos a dizer que no quadro atual da física, neutrinos superluminais seriam difíceis de produzir", explica Cowsik. Além disso, diz ele, há uma verificação experimental sobre esta conclusão teórica. A criação de neutrinos do CERN é duplicada naturalmente quando os raios cósmicos atingem a atmosfera da Terra.
Um observatório de neutrinos chamado IceCube detecta esses neutrinos quando eles colidem com outras partículas gerando muons que deixam rastos de luz como um arado no gelo espesso e claro da Antártida.
"O IceCube viu neutrinos com energias 10.000 vezes superiores à que a experiência OPERA está a criar", diz Cowsik. "Assim, as energias dos pions progenitores devem ser proporcionalmente grande. Cálculos simples, com base na conservação de energia e momento, ditam que as vidas desses pions deve ser muito longa para eles decairem em neutrinos superluminais.
"Mas a observação de neutrinos de alta energia pelo IceCube indica que esses pions de alta energia decaem de acordo com as ideias padrão da física, gerando neutrinos cuja velocidade se aproxima da luz, mas nunca a ultrapassa.
A objeção de Cowsik para os resultados da OPERA não é a única que tem sido levantada. Os físicos Andrew G. Cohen e Sheldon Glashow L. publicaram um artigo na Physical Review Letters mostrando que neutrinos superluminais rapidamente se radiariam energia na forma de pares eletrão-positrão.
"Estamos a dizer que, dada a física como a conhecemos hoje, deve ser difícil de produzir qualquer neutrino com velocidade superluminal, e Cohen e Glashow estão a dizer que mesmo que você o consiga, eles irradiam rapidamente perdendo a sua energia e desacelerando, "Cowsik diz.
"Tenho grande respeito pelos investigadores da OPERA", Cowsik acrescenta. "Eles detetaram velocidades mais rápidas que a luz quando analisaram os seus dados em março, mas eles lutaram durante meses para eliminar possíveis erros na sua experiência antes de o publicar.
"Não encontrando nenhum erro", Cowsik diz, "eles tinham a obrigação ética de o publicar para que a comunidade ajudasse a resolver a dificuldade. Esse é o código que os físicos seguem", diz ele.

Fonte: Science Daily

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Cientistas descobrem 50 espécies novas por dia

Cerca de 50 novas espécies de animais, plantas e outros seres vivos são descobertas, em média, todos os dias. E a maioria são insectos e aracnídeos, segundo um relatório de uma instituição científica norte-americana.
Em dez anos (2000-2009), foram descritas 176.311 espécies novas para a ciência, segundo uma contabilidade feita pelo Instituto Internacional para a Exploração de Espécies, da Universidade do Arizona. Metade (88.598) era de insectos. A seguir vêm as plantas (13% ou 23.604 espécies) e aracnídeos (7% ou 12.751 espécies), como aranhas e escorpiões. Na contagem mais recente, que inclui as descobertas até 2009, há 1,9 milhões de espécies já descritas pela ciência. Mas o número real da biodiversidade do planeta é muito maior. “Uma estimativa razoável é a de que dez milhões de espécies de plantas e animais aguardam ser descobertas”, calcula o relatório SOS-State of Observed Species. No campo dos micróbios, a cifra sobe possivelmente para “dezenas de milhões”.
Serem “descobertas” não é o mesmo que dizer que as novas espécies nunca tinham sido antes vistas. Muitas serão conhecidas e até utilizadas por populações locais, mas nunca terão sido identificadas e nomeadas como seres de facto diferentes dos que já existem, de acordo com a notação criada no século XVIII pelo botânico e zoólogo sueco Carlos Lineu. Ou então eram sub-espécies que, a dada altura, passaram a ser consideradas espécies distintas.
Segundo Helena Freitas, directora do Jardim Botânico da Universidade de Coimbra, é este o caso de algumas “novas” plantas. Espécies vegetais de facto desconhecidas são encontradas sobretudo em ecossistemas particulares, pouco estudados, como em zonas tropicais ou em montanhas altas.
Ainda assim, em 2009 – data da compilação mais recente das descobertas a nível global – foram identificadas 2184 espécies novas de plantas vasculares. O número é bem menor do que o do líder da lista, os insectos, com 9738 novas espécies nesse ano. “São o grupo mais diverso de animais”, justifica a bióloga Sofia Reboleira, da Universidade de Aveiro, que já descobriu cinco novas espécies de insectos e uma de aracnídeo em Portugal. O trabalho de Sofia Reboleira – realizado em grutas – confirma que é nos habitats menos estudados e mais particulares que há maior probabilidade de se encontrarem novidades.
Mesmo em zonas mais banais, é possível haver surpresas. “Há pouco tempo foram encontradas duas espécies novas de aranhas no Jardim Botânico”, conta Helena Freitas.
Em 2009, os invertebrados representaram 72% das novas descobertas a nível global. No outro extremo, depois das plantas, fungos e micróbios, estão os vertebrados, com apenas 3,3%. Das 639 novas espécies descobertas nesse ano, metade (314) são peixes e cerca de um quarto (148) são anfíbios – quase todos sapos ou rãs.  Há ainda 120 novos répteis, como cobras, lagartos, iguanas, camaleões e tartarugas, e apenas 41 mamíferos, na maioria morcegos e roedores. As aves ficam por último, com apenas sete espécies novas em 2009.
O interesse dos cientistas não se fica pelos animais e plantas vivos. Pelo menos 1905 novas espécies fósseis – já extintas há um longo tempo – foram descritas em 2009. As que existem hoje correm o risco de rapidamente se juntar a esse grupo. Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza, apenas 4% das espécies descritas pela ciência estão ser alvo de alguma monitorização. E, dessas, três em cada dez estão ameaçadas de extinção.
 
Fonte: Público

Excesso de peso potencia risco associado ao cancro da próstata


O risco de morrer de cancro de próstata quase duplica nos homens com excesso de peso superior a 20 quilos durante a sua vida adulta, indica um estudo australiano revelado hoje.
"Este estudo mostra que a obesidade está relacionada com as formas agressivas de cancro mortal", advertiu Dallas English, um dos autores do estudo publicado pela Revista Internacional do Cancro e difundido hoje na Austrália pelo grupo Fairfax.
O diretor de um centro de investigação em genética e epidemiologia da Universidade de Melbourne defendeu assim a necessidade de "manter um peso saudável durante a vida adulta".
A investigação tem por base o estudo de casos de 17.000 homens com idades entre os 40 e 69 anos, parte de uma geração em que a obesidade não era um problema generalizado na Austrália.
De acordo com um estudo de saúde realizado em 2008, 42,1 por cento dos homens australianos têm excesso de peso, enquanto 25,6 por cento são obesos, num país com 22 milhões de habitantes.
O mesmo estudo indica que 600.000 menores com idades entre os 5 e 17 anos sofrem de excesso de peso ou obesidade, o que representa 21 por cento da população infantil.

Fonte: Diário de Notícias

Mães que amamentam durante pelo menos seis meses têm menor pressão sanguínea

Mães que amamentam os seus bebés por pelo menos seis meses diminuem o risco de desenvolver pressão sanguínea elevada no futuro. Os pesquisadores descobriram que aquelas que amamentaram por menos de três meses tinham quase um quarto a mais de probabilidade de desenvolver o problema de saúde referido.
O estudo americano, com quase 56 mil mulheres com pelo menos uma criança, concluiu que as mães que amamentaram pelo menos 6 meses tinham menos probabilidades de desenvolver problemas de pressão num período de 14 anos. A pesquisa também estimou que até 12% dos casos de pressão alta entre as mulheres com filhos podem estar relacionados com a amamentação abaixo do indicado.
Mesmo que os resultados não provem que a amamentação ajude a ter uma pressão sanguínea melhor, os pesquisadores afirmam que eles adicionam evidência de que a prática é boa para as mães e os bebés. “Mulheres que nunca amamentaram têm mais chance de desenvolver hipertensão do que as que amamentaram exclusivamente os seus filhos por seis meses ou mais”, afirma Alison Stuebe, líder do estudo.
As atuais recomendações do Departamento de Saúde americano pedem a todas as mulheres que amamentem os seus filhos pelo menos nos primeiros seis meses, se puderem. Stuebe afirma que a ideia não é fazer as mães tentarem amamentar com mais afinco, mas tornar a prática mais fácil.
Estudos anteriores demonstraram que mulheres que amamentaram têm menor risco de diabetes, colesterol alto e doenças cardíacas no futuro.
Entre as participantes do estudo, cerca de 8.900 foram diagnosticadas com pressão alta num período posterior de 20 anos. Mulheres que nunca amamentaram ou o fizeram por três meses ou menos tinham quase um quarto a mais de probailidade de desenvolver o problema do que as que amamentaram por pelo menos um ano. Fatores como alimentação, exercício e fumo foram levados em conta.
Mas Stuebe adverte que nenhum dos resultados prova que a amamentação, por si só, dá proteção de longo prazo à pressão alta. É possível que outros fatores modifiquem os hábitos de amamentação e os níveis de pressão, como o stress do ambiente. Porém, o estudo aponta benefícios diretos da amamentação pelo peito. Estudos anteriores já provaram que a prática ajuda os bebés contra doenças comuns, como diarreia e otites.

Fonte: HypeScience

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Investigadores portugueses estudam doença que afecta abelhas

O projecto é promovido pela Federação Nacional dos Apicultores de Portugal e está a ser executado pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Instituto Politécnico de Bragança (IPB), Universidade de Évora (UÉvora) e o Laboratório Nacional de Investigação Veterinária (LNIV).
“Em Portugal, ainda não temos dados sobre esta problemática. Contudo, este projecto visa identificar esta espécie e saber qual é a sua distribuição”, afirmou à Agência Lusa Paulo Russo Almeida, investigador da UTAD.
A síndrome do colapso das colónias foi detectada nos EUA por volta de 2006, reflectindo-se numa redução drástica e inexplicável dos efectivos de abelhas naquele país e em consequências drásticas a nível económico. As abelhas são os principais agentes polinizadores, estimando-se que cerca de um terço das culturas agrícolas dependam da polinização destes insectos. O alerta foi lançado e foram sendo desenvolvidas várias investigações com o objectivo de identificar a causa deste fenómeno.
No mesmo ano, investigadores espanhóis identificaram pela primeira vez o agente Nosemae ceranae na Europa e, desde então, o trabalho desenvolvido por essa equipa tem sido no sentido de demonstrar se há uma relação de causa entre este novo agente e a síndrome.
A doença é causada pelo desenvolvimento de um ou de dois microsporídios – Nosema apis ou Nosema ceranae, duas espécies que só se conseguem distinguir através de métodos de genética molecular. Ainda não há certezas quanto à relação da Nosema ceranae com as perdas inexplicáveis das colónias. Em Portugal, está identificada a existência da espécie apis, não estando, no entanto, comprovada a existência da ceranae. “Daí a importância do nosso projecto”, salientou Paulo Russo Almeida. Financiado pelo Programa Apícola Nacional, o projecto dispõe de cerca de 90 mil euros para três anos.
Numa primeira fase foram feitos 660 inquéritos aos apicultores. No Outono foram recolhidas amostras em 270 apiários espalhados pelo continente. Em cada apiário foram recolhidas, nas várias colmeias, entre 60 a 100 abelhas.
A segunda fase de amostragem irá avançar a partir de Maio. Ainda este mês irá dar-se início à avaliação microscópica das amostras, seguida da identificação específica pela técnica da PCR (Reacção em Cadeia da Polimerase). O objetivo é caracterizar o país, saber se o agente está presente, onde e com que incidência. E, caso se comprove que esta patologia está por detrás da síndrome do colapso das colónias, para que seja possível tomar medidas de combate à doença.
“Determinar a espécie em causa ajuda depois na adopção de medidas de combate”, salientou o investigador. Em Portugal existem apenas alguns relatos pontuais de mortalidade fora do normal.
Em 2010, estavam contabilizados em Portugal cerca de 17 mil apicultores, correspondendo a um universo de, aproximadamente, 38 mil apiários e 562 mil colónias.
Os apicultores não profissionais, no seu conjunto, representam 96,6 por cento do total de apicultores  portugueses e detêm 61,8 por cento do total de colónias. “Nós temos condições naturais que permitem ter vários tipos de mel de qualidade em Portugal”, salientou Paulo Russo de Almeida.

Fonte: Público

Barba de Napoleão mostra que ele era caucasiano



Investigadores compararam ADN do imperador com o de um descendente do seu irmão Jerónimo.

Ao contrário do que se especulava até agora, as raízes de Napoleão Bonaparte não eram árabes mas estavam bem firmadas na população caucasiana europeia. A conclusão é de um grupo de investigadores coordenado pelo francês Gérard Lucotte, do Instituto Molecular de Antropologia, de Paris, que analisou dois pelos da barba do imperador e publicou os seus resultados no Journal of Molecular Biology Research de dezembro.

Fonte: Diário de Notícias

Análises instantâneas de saúde de edifícios e pontes

por Charles Q. Choi

Durante a onda mortal de terremotos, enchentes e tornados deste ano, inúmeros edifícios tiveram de ser evacuados enquanto trabalhadores faziam análises para ter certeza que eles estavam estáveis. Os eventos serviram como uma lembrança que a maioria das estruturas ainda é inspecionada por um método definitivamente pouco tecnológico: a olho nu. Para acelerar o processo e torná-lo mais preciso, investigadores estão a pesquisar peles eletrónicas, algoritmos evolucionários e outros sistemas que possam monitorizar a integridade de pontes, edifícios, reservatórios e outras estruturas em tempo real.
Para automaticamente detectar problemas pequenos e transmitir locais precisos, o engenheiro civil Simon Laflamme, do Massachusetts Institute of Technology e os seus colegas, estão a inventar uma “pele de deteção” – remendos flexíveis que colam a áreas onde rachas podem acontecer e que continuam a monitorizá-las. A formação de uma racha causaria um movimento mínimo no betão debaixo de um remendo, causando uma mudança na carga elétrica contida na “pele de deteção”, que é feita de plástico extensível misturado com óxido de titânio. Todos os dias um computador anexado à coleção de remendos emitiria uma corrente para medir a carga de cada um deles, um sistema que Laflamme e os seus colegas detalham no Journal of Materials Chemistry.
Outro engenheiro está a aplicar um conceito semelhante a pontes. Para monitorizar a deterioração dentro de cabos de suspensão de pontes, Raimondo Betti, da Universidade de Columbia, e os seus colaboradores, estão a testar 40 sensores em cabos na Manhattan Bridge, em Nova Iorque. Os sensores medem temperatura, humidade e corrosão.
Embora estes sensores possam detetar danos, isso ocorre apenas depois de eles serem instalados. O roboticista Hod Lipson, da Universidade de Cornell, e os seus colegas desenvolveram um modelo de computador que simula uma estrutura intacta e avalia algoritmos que evoluem nesse modelo até que ele atinja as informações que os sensores estão a fornecer, o que pode revelar uma gama mais ampla de danos.
Alguns ainda não estão convencidos dos benefícios destes projetos. “Não existe ainda pesquisa suficiente e informação que sustente economicamente essa manutenção contínua e na hora certa”, afirma Laflamme. Outra preocupação pode ser o desempenho de longo prazo dos sistemas, o que ainda não foi estudado, especialmente se eles estiverem em ambientes severos – matéria para futura investigação.

Fonte: Scientific American

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Revista médica defende ocultação do sexo do bebé


A revista da Associação Médica do Canadá defendeu na segunda-feira, no seu editorial, que os médicos não deveriam revelar o sexo do bebé antes dos 7,5 meses de gravidez, para evitar o aborto seletivo de meninas.

No seu mais recente número, a publicação assinala que o Canadá se converteu num paraíso para os pais que desejam abortar bebés do sexo feminino devido à sua predileção por filhos varões.
Os casos ocorrem entre os imigrantes asiáticos, principalmente da Índia e da China, onde a prática é elevada.
O editorial da revista, citado pela agência Efe, refere que, devido a uma variedade de fatores, incluindo o fácil acesso a abortos e serviços de determinação do sexo do bebé, a interrupção voluntária da gravidez seletiva disparou no Canadá, bem como nos Estados Unidos.

Fonte: Diário de Notícias

Fósseis recolhidos por Darwin redescobertos num armário britânico

Um “tesouro” incalculável de fósseis antigos - incluindo alguns recolhidos pelo naturalista britânico Charles Darwin - foi redescoberto num velho armário do Reino Unido.
Os fósseis, cuja importância passou despercebida durante 165 anos, foram encontrados por acaso nos cofres do quartel-general da British Geological Survey, perto de Keyworth (Reino Unido), relata a BBC.
Estes fósseis já foram fotografados e estão agora disponíveis numa exposição online .
John Ludden, director-executivo da British Geological Survey referiu à BBC que esta é uma descoberta “extraordinária”. “Isto faz-nos pensar o que é que poderá mais estar escondido nas nossas colecções”.
A descoberta destes fósseis foi feita pelo paleontólogo Howard Falcon-Lang, que nem queria acreditar no que os seus olhos viam, quando levantou uma lâmina de vidro com uma amostra à contraluz e leu o nome que figurava na etiqueta: “C. Darwin Esq.”.
“Demorou um bocado até me convencer que aquela era a assinatura de Darwin na lâmina”, disse o paleontólogo, acrescentando que rapidamente percebeu também que aquele era um “importante e esquecido” espécime.
“Dentro de um armário estavam centenas de amostras fossilizadas de plantas”, acrescentou Howard Falcon-Lang, que trabalha para o departamento de Ciências da Terra no instituto Royal Holloway da Universidade de Londres.
Veio a confirmar-se posteriormente que muitas das amostras redescobertas por Falcon-Lang foram recolhidas por Darwin durante a sua famosa expedição a bordo do HMS Beagle, em 1834. Esta foi a viagem na qual o naturalista britânico começou a desenvolver a sua teoria da evolução das espécies.
Muitas das amostras recolhidas na viagem foram despachadas para Inglaterra e era Joseph Hooker, um botânico e amigo de Darwin, que estava responsável por receber e catalogar as amostras enviadas, durante um breve período em que trabalhou para a British Geological Survey, em 1846.
Mas os fósseis entretanto “perderam-se” porque Hooker saiu em expedição para os Himalaias antes de poder concluir o trabalho.
Depois disso a exposição foi sendo mudada de sítio e acabou por ser esquecida.
“Reencontrar um tesouro de espécies recolhidas por Darwin da viagem do Beagle é simplesmente extraordinário. Há muitos fósseis muito importantes que nem sequer sabíamos que existiam”, disse ainda Falcon-Lang, acrescentando que uma das mais bizarras amostras agora redescobertas é a de um fungo de 400 milhões de anos que pode atingir o tamanho de uma árvore.

Fonte: Público

Nível das águas subterrâneas está a diminuir globalmente

O nível das águas subterrâneas caiu em muitos lugares em todo o mundo ao longo dos últimos nove anos, de acordo com o que foi descoberto por dois satélites de monitorização. Esta tendência aumenta a preocupação de que os agricultores estão a bombear demasiada água para fora do solo em regiões secas.
A água tem desaparecido debaixo do sul da Argentina, Austrália ocidental e em partes dos Estados Unidos. A queda é especialmente pronunciado na Califórnia, Índia, Médio Oriente e China, onde a agricultura em expansão aumentou a procura de água.
"As águas subterrâneas estão a ser consumidas a um ritmo veloz em praticamente todos os principais aquíferos das regiões áridas e semiáridas do mundo", diz Jay Famiglietti, hidrólogo da Universidade da Califórnia em Irvine, cuja equipa apresentou as novas descobertas na reunião da União Geofísica Americana.
Famiglietti e seus colegas detetaram a água abaixo da superfície usando o equivalente moderno de uma haste dowsing: um par de satélites do tamanho de carros, apelidados de Tom e Jerry, que são especialmente sensíveis à força da gravidade a partir de baixo.
Como os dispositivos espaciais se perseguem ao redor do planeta como os seus homónimos gato e rato, eles são afastadas e juntas por áreas de maior ou menor gravidade. Montanhas e outras grandes concentrações de massa têm um efeito grande e consistente de mês para mês. Mas a água move-se ao longo do tempo, criando pequenas flutuações de gravidade às quais os movimentos orbitais dos satélites respondem.
É necessário um grande fluxo para alterar significativamente a distância entre os satélites. Depois de subtrair as contribuições da neve, rios, lagos e humidade do solo, os cientistas podem detetar alterações nas águas subterrâneas maiores do que um centímetro sobre uma área do tamanho de Illinois.
Esta missão conjunta entre da NASA e do Centro Aeroespacial Alemão - chamada de Gravity Recovery and Climate Experiment, ou GRACE - tem vindo a criar imagens instantâneas mensais da água subterrânea global desde 2002. As tendências já identificadas nesses dados ajudam a preencher lacunas na monitorização e confirmam problemas em locais onde a informação oficial da água subterrânea não é confiável ou é mesmo inexistente.
"A GRACE é muito útil para as áreas do mundo onde não temos boas observações da terra", diz Marc Bierkens, hidrólogo que estuda as águas subterrâneas na Universidade de Utrecht, na Holanda.
A China, por exemplo, tem subestimado o uso das águas subterrâneas. O país não possui a rede nacional de poços de monitorização que existe, por exemplo, nos Estados Unidos. As medições da GRACE sugerem que os níveis de água têm caído seis ou sete centímetros por ano sob as planícies do Nordeste.
Em algumas áreas, a variação climática pode ser a culpada a curto prazo. Por exemplo, nas planícies da Patagónia, na Argentina e nas áreas em todo o sudeste dos Estados Unidos - áreas que têm sido duramente atingidas pela seca – existe menos água subterrânea hoje do que em 2002.
Mas há pouca dúvida quanto ao que está por trás das maiores quedas: a agricultura. Um boom agrícola no norte da Índia ajudou a consumir quase 18 km3 de água do solo a cada ano. Isto é água suficiente para encher mais de sete milhões de piscinas olímpicas. E em Central Valley, na Califórnia, que suporta cerca de um sexto das terras irrigadas do país, a terra tem afundando há décadas, com os proprietários a perfurarem mais poços e retirar quase 4 km3 de água por ano.
"As pessoas estão a usar a águas subterrânea mais rapidamente do que esta pode ser reposta naturalmente", diz Matthew Rodell, um hidrólogo e membro da equipa GRACE no Centro da NASA Goddard Space Flight, em Greenbelt, Md.
As pressões agrícolas são particularmente preocupantes em lugares como o Médio Oriente, outro hotspot no novo mapa feito pela GRACE. A água bombeada do aquífero Arabian sob a Arábia Saudita e países vizinhos cai atualmente como a chuva há milhares de anos atrás. À medida que esta água fóssil desaparece, há poucas novas chuvas para reabastecê-la.
A mudança climática só vai piorar o problema, diz Famiglietti. Os padrões de precipitação estão a tornar-se mais extremos, aumentando a severidade das secas. As áreas molhadas também estão a torna-se mais húmidas e as secas mais secas, o que pode acelerar o declínio das águas subterrâneas em alguns lugares ao longo dos próximos anos.
Mas mesmo que os pesquisadores soem o alarme, eles não sabem o que fazer para aumentar o seu volume. GRACE revela apenas alterações nas águas subterrâneas, mas não fornece informações acerca da quantidade de água que resta.
"Nós realmente não sabemos o quão consumidos estão os maiores aquíferos do mundo ", diz Sasha Richey, da Universidade da Califórnia.
Alguns reservatórios, como o aquífero gigante Nubian que subjaz no Norte de África, pode ser grande o suficiente para atender à procura por séculos. Mas existem poucas estimativas fiáveis da quantidade de água subterrânea armazenada nos aquíferos do mundo.
Apesar das incertezas, Leonard Konikow, um hidrogeólogo no Serviço Geológico dos EUA, em Reston, Virgínia, diz que o uso da água se tornou insustentável em muitos lugares. Melhores sistemas de irrigação que utilizam menos água podem ajudar a conter o problema, diz ele. Assim como canalizar a água dos aquíferos durante os períodos húmidos, em vez de deixá-la “fugir” para o oceano.
"Há muitas áreas do mundo onde o consumo de águas subterrâneas excede em muito um nível sustentável", diz Konikow. "Algo terá que mudar."

Fonte: Science News

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Wikipedia encerra 24 horas em protesto contra lei antipirataria nos EUA

O fundador da Wikipedia, Jimmy Wales, confirmou hoje que a versão inglesa da enciclopédia digital vai juntar-se ao protesto contra uma proposta de lei antipirataria nos EUA, suspendendo o funcionamento por 24 horas na quarta-feira.
Das 05:00 da manhã de quarta-feira às 05:00 da manhã de quinta (horas de Lisboa), a Wikipedia vai encerrar, à semelhança de outros serviços, como o reddit, depois de Jimmy Wales o ter anunciado na sua conta de Twitter: "Espero que a Wikipedia derreta os sistemas telefónicos em Washington na quarta-feira. Digam a toda a gente que conhecerem!"
De acordo com o fundador da Wikipedia, mais de 100 milhões de pessoas serão afetadas pelo corte, com a suspensão do serviço nas outras línguas a ser deixada à escolha das respetivas comunidades.
"Alerta aos estudantes! Façam o vosso trabalho de casa cedo. A Wikipedia vai protestar contra a lei má na quarta-feira!", escreveu Jimmy Wales no Twitter hoje à tarde.
A proposta de lei "Parem a pirataria online" ("Stop Online Piracy Act", ou SOPA, no acrónimo original) tem sido fortemente contestada nos Estados Unidos, desde ativistas a empresas de Silicon Valley, tendo a Casa Branca mostrado a sua oposição na semana passada.
Enquanto várias empresas de conteúdos encaram a lei como importante para a proteção dos direitos de autor, as tecnológicas opõem-se ao documento pelo que alegam ser uma intrusão no seu trabalho.
Uma página intitulada "Luta pelo futuro", com 116 mil seguidores no Facebook, acusa a lei proposta de poder "quebrar a Internet" por causa das "imensas maneiras de como vai refrear a liberdade de expressão e inovação", segundo o modelo da carta que têm enviado aos membros do Congresso.

Fonte: RTP

Mosca batizada em honra de Beyoncé

A sensualidade de Beyoncé adquiriu uma inesperada relevância científica. Segundo a agência AFP um entomologista australiano decidiu prestar homenagem à diva da música pop ao batizar um tipo de mosca como "Scaptia (Plinthina) beyonceae" devido à semelhança entre a cor dourada do inseto e a roupa da cantora no vídeo da música "Bootylicious".
O fundo do abdómen da mosca, que habita no norte do estado australiano de Queensland, é dourado, a mesma cor da roupa que Beyoncé usou na gravação de "Bootylicious" em 2001, quando ainda fazia parte da banda Destiny's Child, antes de iniciar a sua carreira a solo.
A cor brilhante e as longas pernas fazem com que o raro inseto se possa tornar "a diva das moscas", disse Bryan Lessard, entomologista da Organização para a Pesquisa Científica e Industrial da Commonwealth da Austrália (CSIRO).
O cientista explicou ainda que ao batizar assim a mosca terá oportunidade de demonstrar "o lado engraçado da taxonomia [nomenclatura das classificações científicas]", divulgou a CSIRO em comunicado.
A mosca foi encontrada a oeste de Cairns, no nordeste da Austrália, em 1981, ano em que Beyoncé nasceu.
Esta não é a primeira vez que um animal é batizado em honra de um artista, uma aranha recebeu o nome do cantor Neil Young, um escaravelho o nome de um dos pioneiros do rock Roy Orbison e outros animais extintos do grupo de punk The Ramones.

Fonte: Diário de Notícias

Estudo associa ciclones a tremores de terra

Pesquisadores dos EUA dizem ter encontrado evidências de que os ciclones tropicais no Haiti e Taiwan foram seguidos por terramotos, sugerindo que as fortes chuvas e deslizamentos de terra podem desencadear tremores de terra.
"Eventos de chuva forte são o gatilho", diz dr. Shimon Wdowinski, um professor associado de geologia marinha e geofísica, da Universidade de Miami.
"A forte chuva induz milhares de deslizamentos de terra e erosão, que remove o material do solo da superfície da Terra, libertando o stress de carga e encorajando o movimento ao longo de falhas."
Wdowinski e um colega da Florida International University analisaram dados de grandes terremotos – com magnitude seis e superior - em Taiwan e no Haiti nos últimos 50 anos, e descobriram que grandes terramotos tendem a aparecer dentro de quatro anos após uma temporada de ciclones tropicais muito fortes.
Em alguns casos recentes, os terramotos aconteceram mais cedo, como em 2009, quando o tufão Morakot em Taiwan foi seguido no mesmo ano por um terramoto de magnitude 6,2 e um outro de magnitude 6,4 em 2010.
O Morakot matou 614 pessoas e deixou 75 desaparecidos, enterrando vilas inteiras e deixando um registo de três metros de chuva no que é considerado um dos piores desastres naturais da ilha.
O tufão Herb ocorreu em 1996, matando centenas de pessoas na China e Taiwan, e foi seguido, dois anos mais tarde, por um terramoto de 6.2 e, em seguida, um terramoto de 7,6 em 1999.
Em 1969, o tufão Flossie foi seguido três anos mais tarde por um terramoto de magnitude 6,2 em 1972, escrevem os pesquisadores.
A equipa também analisou o terremoto de magnitude 7 que ocorrem em 2010 no Haiti, e constatou que surgiu um ano e meio depois de dois furacões e duas tempestades tropicais que inundaram a ilha durante 25 dias.
O tremor ocorreu em janeiro do ano passado e destruiu a capital Port-au-Prince, matando mais de 225 mil pessoas e deixando uma em cada sete sem casa. Uma epidemia de cólera que se seguiu matou mais de 5 mil pessoas.

Deslocando cargas de superfície…
Os pesquisadores dizem que a sua teoria é que as fortes chuvas e deslizamentos provocam uma mudança de peso muito grande na superfície da falha, podendo desencadear terramotos. "A carga reduzida altera as falhas, o que pode promover um terramoto", diz Wdowinski.
A hipótese só se encaixa áreas onde há falhas com declive, como regiões montanhosas, onde as águas levam a terra significativamente para longe de falhas profundas no leito rochoso da Terra. Os pesquisadores planeiam um estudo mais aprofundado das condições climáticas nas Filipinas e Japão para ver se a mesma associação podem ser observada nessas regiões.
Os resultados foram apresentados na reunião anual da Sociedade Americana de Geofísica, em San Francisco.

Fonte: ABC Science